ANP alerta sobre riscos do uso de álcool combustível contra covid-19

Mesmo em pequenas concentrações, produto pode causar irritação na pele

Publicado em 19/05/2020 - 19:56 Por Alana Gandra - Repórter da Agência Brasil - Rio de Janeiro

A Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) divulgou nesta terça-feira (19) nota sobre os riscos do uso inadequado de etanol combustível como produto de limpeza e desinfecção na atual situação de crise provocada pelo novo coronavírus., causador da covid-19.

Segundo a ANP, os produtos destinados ao uso humano, ou em ambiente domiciliar, são aqueles regularizados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), que seguem legislação própria, pois têm níveis específicos de exigência no processo de fabricação, de acordo com o seu uso.

“A Agência estabelece, por meio da Resolução 19/2015, as especificações do etanol, anidro e hidratado, a ser utilizado para fins combustíveis, em especial em veículos automotores. O produto é comercializado diretamente nos postos de gasolina, como etanol hidratado, para abastecer veículos (com pureza – teor alcoólico – de 92,5% em massa) ou como etanol anidro adicionado à gasolina (com pureza mínima de 99,3% em massa). Limpeza e desinfecção são utilizações que requerem etanol com características específicas, distintas das presentes no etanol combustível automotivo”, esclarece a ANP.

De acordo com a ANP, além da caraterística de pureza, há risco de contaminação durante a produção, transporte e armazenamento, ainda que em pequena escala, com produtos tóxicos, tais como metanol, gasolina e diesel. “Na composição do etanol combustível automotivo, devido à matéria-prima e ao processo produtivo empregados, pode haver outros álcoois, bem como sais orgânicos à base de enxofre, ferro, sódio e potássio, cuja ingestão, ou contato com a pele e mucosas, são prejudiciais à saúde.”

Pureza

Em entrevista à Agência Brasil, a professora Celia Machado Ronconi, do Departamento de Química Inorgânica da Universidade Federal Fluminense (UFF), confirmou, que os critérios de pureza do etanol combustível não são os mesmos do álcool em gel produzido para limpeza.

“No etanol combustível, pode haver resíduos de outros álcoois, como o metanol, que é extremamente tóxico e pode causar irritação na pele, mesmo em pequenas concentrações. Além disso, pode haver resíduos de sais de ferro, cobre, sódio e sais de enxofre que também podem causar irritações”, reforçou.

A professora explicou que o etanol combustível hidratado tem 92,5% de etanol e o restante é água. “E é muito mais volátil que o álcool 70%, que contém 30% de água, ou seja, o etanol combustível evapora com mais facilidade e não dá tempo de atuar na pele para destruir a membrana do vírus. Mesmo que seja diluído, não é adequado porque contém os resíduos tóxicos e irritantes para uso doméstico.”

Célia lembrou ainda que o álcool 92,5% é muito desidratante e removeria toda a camada de proteção da pele, causando irritações e até doenças de pele.

Problemas

Para o professor Felipe Silva Semaan, do Departamento de Química Analítica da UFF, a nota da ANP reflete a “sensatez e consciência” do órgão face ao desafio do novo coronavírus, e busca esclarecer o público visando evitar certos males. “O pânico causado pela pandemia, aliado à falta de esclarecimento, fomenta uma crença de que qualquer 'álcool' ajudaria, mas, na realidade, este pode ser também fonte de problemas."

Semaan disse que é preciso atentar para o fato de se estar lidando com produtos com finalidades diferentes quando se fala de álcool combustível e álcool para uso humano. "Os critérios vão além do 'simples' doseamento, que é relevante, e são diferentes em virtude dos usos pretendidos. Produtos diferentes terão controles de qualidade diferentes, ora mais, ora menos restritivos, ao longo de todo seu preparo, armazenamento, distribuição e uso”, argumentou.

O professor Semaan ressaltou que, como consequência das diferentes formas de monitorar e atender às exigências, certos aspectos toleráveis no álcool combustível serão questionáveis, ou reprováveis, quando do uso como sanitizante. “Nosso foco inicial acaba sendo o teor de etanol, embora uma avaliação rápida possa nos expor a complicadores como os contaminantes citados [e outros], os quais podem ser introduzidos ao produto sem qualquer intenção, em qualquer etapa da cadeia produtiva, e levar a problemas de pele, por exemplo.”

Semaan destacou que isso não significa que o etanol citado seja ruim. “Significa que o teor de etanol na formulação a ser empregada é apenas um dentre os aspectos a serem considerados, e que o 'álcool' que atende bem às exigências para uso como combustível não automaticamente ou necessariamente atenderá às exigências para uso humano”. 

Edição: Nádia Franco

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias