Ministério da Fazenda defende manutenção do teto de gastos

Pasta rebate críticas de que PEC prejudica saúde e educação

Publicado em 07/12/2018 - 16:47 Por Wellton Máximo – Repórter da Agência Brasil - Brasília

Em vigor desde 2017, o teto de gastos, que corrige as despesas federais pela inflação por 20 anos, é factível e sustentável, desde que sejam feitas as reformas fiscais necessárias para reequilibrar as contas públicas. A conclusão é de relatório divulgado hoje (7) pelo Ministério da Fazenda, que recomendou a manutenção do limite de despesas ao próximo governo.

Para a Fazenda, a revogação do teto de gastos exigiria duas opções que sacrificariam a economia e a população. A primeira seria um aumento de tributos para cobrir a expansão descontrolada das despesas. Segundo a pasta, essa opção teria forte impacto recessivo e reduziria a possibilidade de aprovação de uma reforma tributária que racionalize a cobrança de impostos e promova o crescimento.

A segunda opção que se seguiria a um eventual fim do teto de gastos seria o abandono do ajuste fiscal, que provocaria o crescimento descontrolado da dívida pública, inflação e estagnação econômica. A manutenção do limite de gastos, avalia a Fazenda, facilitaria a realização de reformas fiscais, como a da Previdência. Isso porque, sem o teto, a despesa pública voltaria a expandir-se sem controle e o governo perderia parte da economia gerada pela aprovação das novas regras.

Críticas

O documento rebateu o que considera as seis maiores críticas feitas ao teto de gastos. Segundo a pasta, o argumento de que a emenda tirou dinheiro da saúde e da educação é falso porque os limites mínimos de gastos foram mantidos e continuam a ser corrigidos pela inflação. A Fazenda ressaltou que, nas duas áreas, o governo segue gastando acima do piso estabelecido pela Constituição.

Em relação ao argumento de que o teto é insustentável porque paralisará o governo, a Fazenda alega que a emenda constitucional que criou o limite institui gatilhos automáticos que restringem a contratação de servidores, reajustes ao funcionalismo e concessão de benefícios tributários, caso o teto seja descumprido.

Sobre a expansão de gastos obrigatórios acima da inflação que comprometeriam o teto, o documento argumenta que, se não houver uma reforma da Previdência (que concentra 52% das despesas totais), o governo terá de emitir moeda, gerando inflação. Caso a inflação se acelere, apontou a pasta, o teto deixará de ser restritivo.

A Fazenda também rechaçou a crítica de que o limite de gastos é severo. Para o ministério, o teto leva a um ajuste gradual por um prazo mais longo, que preserva os programas sociais com melhor desempenho, e um choque fiscal ou se traduziria em aumento da carga tributária de 5% do Produto Interno Bruto (PIB) ou um corte linear profundo que afetaria todas as ações sociais.

Em relação a uma suposta “inconsistência do teto”, o Ministério da Fazenda respondeu que o teto de gastos torna o Orçamento mais realista, ao evitar que as receitas sejam superestimadas com base em previsões irreais de crescimento da economia. Isso reduz a prática de contingenciamento (bloqueio) de verbas durante a execução orçamentária. Além disso, a partir de 2020, o Poder Executivo deixará de compensar a elevação de despesas acima da inflação de outros poderes – Legislativo, Judiciário, Ministério Público e Defensoria Pública da União. Isso mudará a lógica anterior, em que um ente busca ampliar os próprios gastos e repassar o ajuste aos demais.

Por fim, sobre o argumento de que o teto de gastos deveria ter sido aprovado junto ou depois da reforma da Previdência, a Fazenda alegou que, desde o primeiro dia, trabalhou intensamente nas duas reformas, mas que a proposta de mudanças na Previdência só foi enviada ao Congresso no fim de 2016 porque era mais complexa e levou mais tempo para o governo fechar uma versão consensual. Segundo a Fazenda, o teto, na verdade, realçou a urgência de aprovação de mudanças nos regimes de aposentadorias e pensões.

Ineficiências

O Ministério da Fazenda voltou a afirmar que os gastos com a Previdência Social são pouco eficientes para reduzir a pobreza. A pasta reiterou o estudo segundo o qual 42% dos benefícios pagos pela Previdência beneficiam os 20% mais ricos da sociedade, enquanto 6% vão para os 20% mais pobres.

Além disso, 79% dos gastos com o funcionalismo federal vão para os 20% mais ricos, enquanto o abono salarial – benefício pago a trabalhadores de carteira assinada que recebem até dois mínimos – também concentra renda, com apenas 0,7% dos valores pagos destinado aos 20% mais pobres e 34% à faixa entre os 60% e 80% mais ricos.

Edição: Nádia Franco

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias
Aplicativo Caixa Tem
Economia

Caixa credita hoje auxílio emergencial para nascidos em junho

Crédito para os beneficiários nascidos em junho faz parte do Ciclo 1 de pagamentos do auxílio emergencial. Saques e transferências estarão liberados no dia 22 de agosto.

Geral

No Rio, deslizamento no morro da Mangueira atinge 12 casas

Defesa Civil isolou a área atingida e equipes aguardam a retirada do material que deslizou para avaliar o estado das casas. Vinte agentes da Defesa Civil e da Guarda Municipal estão a postos.

bola liga dos campeões
Esportes

Liga dos Campeões da Europa retorna com jeito de Copa do Mundo

Torneio terá jogos sem torcida e reta final será disputada em Lisboa, em jogo único, nos estádios José Alvalade (Sporting) e da Luz (Benfica).

Diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom
Internacional

OMS: recuperação econômica global pode ser mais rápida com vacina

"O nacionalismo com vacinas não é bom, não vai nos ajudar", afirmou o diretor-geral da organização, ao comentar a disputa competitiva entre diversas nações e seus laboratórios.

Com o acordo, pesquisadores de 15 intitutos Senai de Inovação operacionais podem acessar as inovações produzidas pelos institutos Fraunhofer, principalmente em tecnologias, que não estão disponíveis no Brasil
Educação

Cursos de qualificação profissional têm alta demanda na pandemia

Cursos oferecidos têm duração média de 14 horas. Para ter acesso, basta acessar a plataforma Mundo Senai, preencher um cadastro simples e fazer a inscrição.

Smoke rises from the site of an explosion in Beirut
Internacional

Embaixada do Líbano pede ajuda humanitária após explosão em Beirute

Comunicado diz que o país precisa de assistência médica em todos os seus ramos e de suprimentos cirúrgicos e hospitalares. Também são pedidos materiais de construção.