SP: aulas práticas do ensino superior podem voltar em algumas cidades

Municípios precisa estar há 14 dias na fase 3 - Amarela

Publicado em 13/07/2020 - 16:55 Por Elaine Patricia Cruz – Repórter da Agência Brasil - São Paulo

O governador de São Paulo, João Doria, anunciou hoje (13) que está autorizada a volta às atividades práticas do ensino superior e profissionalizante em municípios paulistas que estejam na fase 3 - Amarela do Plano São Paulo há mais de 14 dias. A medida vale para cursos em que as atividades práticas e laboratoriais não podem ser feitas à distância. A autorização também vale para o estágio curricular obrigatório da área da saúde. No entanto, só funcionarão para atividades práticas: o ensino teórico continuará sendo feito a distância.

Até este momento, apenas três regiões do estado estão classificadas há mais de 14 dias na fase amarela: a capital paulista e as sub-regiões sudeste e sudoeste da região metropolitana.

“As instituições de ensino superior e de cursos técnicos do ensino profissionalizante poderão retomar atividades presenciais desde que a região esteja há 14 dias na fase amarela do Plano São Paulo. O funcionamento está limitado a 35% do número de alunos matriculados em cada instituição”, disse Doria.

Segundo Rossieli Soares, secretário estadual da Educação, a prioridade é para alunos que estejam se formando.

“Temos um gargalo importante na área da saúde e dos cursos técnicos onde a educação à distância não consegue dar conta de tudo. Naquelas disciplinas que são mais teóricas, consegue-se trabalhar com educação mediada com tecnologia ou educação à distância. Mas o curso prático, o estágio supervisionado de um futuro médico, o internato de um médico, não. Se não tivermos esse ciclo funcionando, vamos ter uma menor entrada de futuros médicos e um hiato de formação de profissionais da saúde. Então, a decisão foi para que, estritamente a parte de laboratórios, a parte prática em que não é possível se fazer a distância, poderá voltar na fase amarela”, disse Soares.

Plano São Paulo é dividido em cinco fases que vão do nível máximo de restrição de atividades não essenciais (vermelho) a etapas identificadas como controle (laranja), flexibilização (amarelo), abertura parcial (verde) e normal controlado (azul). O Plano São Paulo também é regionalizado, ou seja, o estado foi dividido em 17 regiões, com a região metropolitana dividida em cinco sub-regiões. 

Educação complementar

A educação complementar não regulada, que compreende cursos livres, como de idiomas, informática, artes, entre outros, passa a ser enquadrada como setor de serviços noo Plano São Paulo. Com isso, eles poderão ser abertos, desde que sigam as restrições de capacidade, de horários e de faseamento que foram estabelecidos pelo plano. Assim, esses cursos poderão funcionar em cidades que esteja enquadradas na fase 3 - Amarela.

“A educação complementar poderá ser retomada desde que as cidades onde eles estiverem sendo aplicados estejam na fase 3, ou seja, na fase Amarela do Plano São Paulo”, disse Doria. Atualmente, o estado tem sete regiões na fase amarela: a capital paulista, quatro sub-regiões metropolitanas (leste, oeste, sudeste e sudoeste), a Baixada Santista e Registro.

Para voltarem a funcionar, as instituições e organizações que oferecem os cursos livres precisam obedecer a regras e protocolos de segurança. A fase amarela estabelece, por exemplo, que a ocupação seja limitada a 40% da capacidade e que o horário de funcionamento seja reduzido a seis horas diárias.

A educação complementar terá ainda de seguir os protocolos estabelecidos no setor educacional, como organização da entrada e da saída para evitar aglomeração e intervalos com o revezamento de turmas, além do cumprimento do distanciamento de 1,5 metro e das medidas de higiene e sanitização dos espaços. “Elas passam a seguir as regras do Plano São Paulo, mas também observando as regras educacionais na parte de protocolos”, disse o secretário.

Ouça na Radioagência Nacional:

Edição: Denise Griesinger

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias
 Esculturas de musas na fachada do prédio da sede do Museu Nacional, na Quinta da Boa Vista, zona norte da cidade
Geral

Alerj autoriza repasse de verbas para obras no Museu Nacional

A Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro autorizou o repasse de verbas complementares para a reconstrução do Museu Nacional, destruído por um incêndio em 2018.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, fala à imprensa no Palácio do Planalto, sobre os 500 dias de governo
Economia

Guedes diz que não apoia eventual tentativa de furar teto de gastos

O ministro Paulo Guedes reafirmou que não há apoio para uma eventual tentativa de furar o teto de gastos do governo para garantir investimentos públicos no país.

Covid-19: Fiocruz amplia capacidade nacional de testagem
Saúde

Covid-19: Brasil registra mais 1.274 mortes e 52.160 casos

País tem 3.109.630 casos de covid-19 acumulados desde o início da pandemia. Desse total, 3,3% dos pacientes morreram, 72,1% se recuperaram e 24,6% estão em tratamento.

Geral

Operação Verde Brasil 2 completa três meses de atuação na Amazônia

Operação tem objetivo de combater crimes ambientais e tem a participação de integrantes da Forças Armadas, em conjunto com agentes de órgãos ambientais.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, fala à imprensa no Palácio do Planalto, sobre os 500 dias de governo
Economia

Guedes confirma que dois secretários da pasta pediram demissão

O secretário especial de Desestatização, Salim Matar, e o secretário de Desburocratização, Gestão e Governo Digital, Paulo Uebel, pediram demissão ao ministro.

Sala de aula
Justiça

Justiça do Rio confirma proibição de escolas reabrirem

A decisão do TJ do Rio suspendeu o decreto do prefeito Marcelo Crivella que autorizava a reabertura das escolas privadas para o 4º, 5º, 8º e 9º anos.