Arquivamento não é solução, diz procurador sobre morte de menino no Alemão

Publicado em 13/11/2015 - 16:03 Por Alana Gandra - Repórter da Agência Brasil - Rio de Janeiro

O procurador-geral de Justiça do Estado do Rio de Janeiro, Marfan Martins Vieira, disse hoje (13) que espera para a próxima semana uma posição definitiva do promotor Homero das Neves Freitas Filho para o caso do menino Eduardo de Jesus Ferreira, de 10 anos, morto em abril deste ano, no Complexo do Alemão, por policiais militares.

Vieira recebeu hoje em audiência uma comitiva formada pelo senador Lindbergh Farias (PT-RJ), relator da Comissão Parlamentar de Inquérito do Senado que investiga o assassinato de jovens no Brasil; o deputado federal Wadih Damous (PT-RJ), membros da organização não governamental Anistia Internacional, defensores públicos e parentes de Eduardo.

Ao sair da audiência, o assessor da Anistia Internacional, Alexandre Ciconello, falou à Agência Brasil sobre a importância do caso, qualificado de emblemático. Ele afirmou que a comitiva criticou o encaminhamento feito pela Divisão de Homicídios, que considerou a morte como legítima defesa, e destacou a importância de o Ministério Público não referendar esse entendimento.

“O promotor não avaliza, pelo menos na extensão do que foi proposto, o arquivamento do feito”, disse o procurador-geral, que adiantou que não serão necessárias novas diligências do Ministério Público. “O promotor não vai baixar o inquérito para novas diligências. Ele acha que já há elementos para um posicionamento conclusivo. E se o posicionamento conclusivo não é no sentido do arquivamento, muito provavelmente o que ele fará é denunciar o caso”.

Segundo Vieira, o promotor Freitas Filho está estudando o inquérito desde que esse chegou ao MP-RJ, no início desta semana, com uma manifestação do delegado de polícia encarregado das investigações, no sentido do arquivamento do processo. “Porque o delegado reconheceu que o policial teria agido em legítima defesa”, disse Marfan Vieira. Segundo Marfan, o promotor não concluiu inteiramente o exame, mas já tem uma posição formada. “O arquivamento não é a melhor solução”, disse.

A mãe de Eduardo, Terezinha Maria de Jesus, não compareceu à reunião porque está na Europa, denunciando o caso, junto com outra mãe, cujo filho também foi vítima de violência policial. Hoje, Terezinha está na Holanda, de onde seguirá para Inglaterra, Suíça e Espanha.

O compromisso de fazer gestões junto ao procurador foi firmado, durante audiência pública da CPI do Senado que investiga o assassinato de jovens, com a mãe de Eduardo, Terezinha Maria de Jesus., que participou da reunião da comissão, ocorrida no último dia 6, no Rio de Janeiro.

Edição: Maria Claudia

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias
Live Jair Bolsonaro 13.08.2020
Política

Bolsonaro: não existe tentativa de furar o teto de gastos

Bolsonaro defendeu a realização de investimentos públicos em áreas sociais e obras de infraestrutura, mas disse que não existe tentativa de "golpe" para "furar o teto".

A partir de hoje (17) estão liberadas as práticas de esportes coletivos como vôlei, futevôlei, beach tennis e futebol nas praias do Rio de Janeiro.
Geral

Senado aprova auxílio de R$ 600 para trabalhadores do esporte

O Senado aprovou hoje um projeto de lei que regulariza o recebimento do auxílio emergencial por funcionários e atletas do setor de esportes.

Edifício sede do Superior Tribunal de Justiça STJ
Justiça

Ministro do STJ revoga prisão domiciliar de Queiroz e esposa

 Fabrício Queiroz é investigado em um suposto esquema de rachadinha na Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro. 

Vista geral da favela Morro Azul, na zona sul do Rio de Janeiro.
Geral

Rio: 1,4 mil mortes por covid-19 foram em favelas, mostra painel

Número se referem às favelas da capital. O estado do Rio de Janeiro registrou 14.080 óbitos desde a chegada do novo coronavírus no Brasil, dos quais 8.612  na capital.

O TSE aumentou o esquema de segurança para acessar o prédio do tribunal neste domingo
Justiça

TSE adia decisão a respeito de tese sobre abuso de poder religioso

Até o momento, os ministros Alexandre de Moraes e Tarcísio de Carvalho Neto votaram contra a medida. Somente o relator, Edson Fachin, defendeu a tese para punição. 

Escola fechada por cinco dias após relatos de coronavírus.
Justiça

TJRJ determina que escolas se preparem para retorno, mesmo em greve

Decisão diz que 70% dos funcionários do administrativo devem retornar ao trabalho presencial, mesmo durante a greve, para prepararem a volta às aulas.