Aplicativo de celular torna mais ágil combate ao Aedes aegypti

Publicado em 14/02/2017 - 18:12 Por Alana Gandra - Repórter da Agência Brasil - Rio de Janeiro

Um sistema disponibilizado em aplicativo de celular torna mais ágil o combate ao mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue, zika e chikungunya, e está disponível, gratuitamente, para todas as prefeituras municipais. O sistema foi desenvolvido em parceria por pesquisadores do Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa em Engenharia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (Coppe-UFRJ); pela empresa nascente Lemobs, da Incubadora de Empresas da Coppe; e pelo Ministério do Planejamento. 

O pesquisador da Coppe Sérgio Rodrigues, coordenador-técnico do sistema, disse que o foco é a questão da agilidade e da confiabilidade da informação. O fato de ser disponibilizado um aplicativo móvel de celular, tanto para Android como para iOS, torna a operação mais ágil. Ele pode ser acessado também via web. “Qualquer usuário pode, em tempo real, denunciar e coletar [informações de] focos do mosquito”. Uma vez coletada, a informação é repassada diretamente para a Sala Nacional de Coordenação e Controle (SNCC), que gerencia e monitora as ações de mobilização e combate ao Aedes aegypti.

O sistema foi divulgado inicialmente para os servidores da administração pública federal. Dezesseis mil servidores foram selecionados e treinados para identificar onde existem possíveis focos do mosquito, bem como tomar medidas para a limpeza desses focos. Atualmente, em torno de mil usuários de 300 órgãos usam essa ferramenta e são responsáveis pelo lançamento de tais informações, Entre esses órgãos, estão a Caixa Econômica Federal e o próprio Ministério do Planejamento.

No início do projeto, os responsáveis pelo sistema em cada órgão, chamados pontos focais, faziam a vistoria a cada semana e coletavam dados de onde foi encontrado foco do mosquito. “Essa é uma informação riquíssima e confiável para que a Sala Nacional [de Coordenação e Controle] possa tomar as medidas adequadas nos locais onde está havendo maior incidência do mosquito”, disse Rodrigues. Agora, os dados são lançados em tempo real e com georreferenciamento.

O sistema está sendo oferecido aos 5.567 municípios brasileiros. Até o momento, três cidades demonstraram interesse em adotar o sistema: Nova Friburgo (RJ), Recreio (MG) e Jequié (BA). Como a divulgação está sendo feita hoje (14), o pesquisador da Coppe aguarda adesão “em massa” das prefeituras a partir deste mês. Ainda nesta semana, ele vai conversar com a Subsecretaria de Vigilância Epidemiológica do Estado do Rio de Janeiro, com esse objetivo.

Embora o aplicativo móvel possa ser usado por qualquer pessoa, não há intenção de estender seu uso para cidadãos comuns, porque uma das premissas básicas do sistema é a confiabilidade da informação. “Quem utiliza hoje esse aplicativo é treinado previamente, porque temos uma quantidade limitada de agentes de saúde no Brasil e estamos privilegiando a informação que seja fidedigna para que os agentes tenham uma ação direcionada. Há, sim, uma estratégia de pensar em ampliar essa divulgação mas, no momento, estamos privilegiando essa atividade e a confiabilidade do lançamento dos dados.”


Fonte: Sistema torna mais ágil combate ao 'Aedes aegypti'

Edição: Fábio Massalli

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias
Uso de máscara para proteção contra o novo coronavírus.
Saúde

Estado do Rio prorroga suspensão das aulas presenciais até dia 20

Prefeitura do Rio de Janeiro informou que as escolas municipais da educação infantil e do ensino fundamental permanecem sem data para o retorno às aulas presenciais.

Médicos fazem treinamento no hospital de campanha para tratamento de covid-19 do Complexo Esportivo do Ibirapuera.
Internacional

OMS: covid-19 põe em risco anos de progresso em saúde nas Américas

Diretora regional da organização, Carissa Ethienne pediu aos governos que aumentem os gastos em saúde para pelo menos 6% do PIB.Para ela, média atual de 3,7% não é suficiente.

Vista geral da favela Morro Azul, na zona sul do Rio de Janeiro.
Economia

Inflação para famílias de renda mais baixa fica em 0,50% em julho

O índice é calculado com base em preços coletados em sete capitais brasileiras: São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Brasília, Porto Alegre, Recife e Salvador.

O Laboratório Central de Saúde Pública de Santa Catarina (LACEN) está realizando exames para identificação do novo coronavírus (COVID-19)
Saúde

Universidade de Brasília e HUB iniciam teste de vacina contra covid-19

Os primeiros que vão participar do estudo-teste são cinco profissionais da saúde que atuam no atendimento de infectados, mas não tiveram ainda a doença, informa a UnB.

Destruição provocada por explosão em Beirute
Internacional

Líbano lida com devastação feita por explosões no porto

O grande número de feridos levou a uma superlotação dos hospitais de Beirute, informou a Cruz Vermelha. O presidente do Líbano anunciou recursos de US$ 66 milhões em fundos de emergência.

.Mercado , comercio, feira ,Venezuela
Internacional

Vendedores e consumidores enfrentam riscos em mercado de Caracas

No maior mercado de produtos agrícolas da capital venezuelana, as pessoas dão pouca atenção às regras de distanciamento, embora muitos usem máscaras