Empresas criticam projeto que regulamenta aplicativos de transporte

A proposta traz várias exigências, como a necessidade de autorização

Publicado em 05/04/2017 - 16:28 Por Daniel Mello - Repórter da Agência Brasil - São Paulo

O Projeto de Lei 5.587/2016, que regulamenta o transporte de passageiros por aplicativos, aprovado ontem (4) pela Câmara dos Deputados, foi criticado por empresas que oferecem o serviço. A proposta traz uma série de exigências, como a necessidade de autorização das prefeituras, aproximando o modelo do sistema de táxis. Após passar pela Câmara, o projeto seguiu para apreciação do Senado.

Pelo texto, os motoristas terão que ter Certificado de Registro e Licenciamento do Veículo (CRLV) de prestação do serviço e contratar seguro para acidentes pessoais para passageiros e condutor. Também será exigida Carteira de Habilitação tipo B ou superior com a informação de que o portador exerce atividade remunerada de transporte.

Críticas

A Uber considerou a proposta “retrógrada” e diz que a medida “não regula a empresa no Brasil, mas tenta transformá-la em táxi, proibindo, então, esse modelo de mobilidade”. Em nota, a empresa disse que espera que o projeto seja discutido de forma mais ampla no Senado. “O debate sobre a tecnologia deve continuar, garantindo que seja ouvida a voz de milhões de pessoas no Brasil que desejam ter seu direito de escolha assegurado.”

Uber

A Uber espera que o texto da lei seja modificado no SenadoMarcello Casal Jr./Arquivo/Agência Brasil

A 99Taxis, empresa que opera serviço de táxi tradicional e de carros particulares, afirmou que suprimir o termo “transporte privado” da regulamentação dos aplicativos “é tecnicamente inconsistente”. Um destaque no texto original retirou a expressão, tornando necessária a autorização das prefeituras para a prestação do serviço, do mesmo modo que acontece com os táxis.

A Cabify também se posicionou contra o projeto. “Tais mudanças inviabilizam o modelo atual de negócios dos aplicativos intermediadores, vão contra a voz da população e simbolizam um retrocesso ao movimento que acontece hoje no país – e no mundo – em prol da mobilidade urbana”, diz comunicado da empresa.

A emenda que retirou a classificação do sistema dos aplicativos como serviço privado foi o centro das reclamações da Easy Taxi. “A caracterização de transporte público irá burocratizar o credenciamento de novos motoristas; não garante a qualidade do serviço prestado; e irá limitar a competitividade entre os sistemas, tão benéfica para a redução de preços aos passageiros”, ressalta a nota da companhia.

Formas de regulação

Na avaliação do coordenador do Centro de Estudos em Negócios do Insper, Paulo Furquim de Azevedo, o projeto aprovado pela Câmara inviabiliza o modelo de transporte por aplicativos. “É um projeto bem em desacordo com o interesse público e bastante em acordo com os detentores de alvarás de táxi”, criticou o analista, em entrevista à Agência Brasil.

O principal problema, na opinião do professor, é justamente a emenda que qualificou o serviço dos aplicativos como público. “O que essa emenda está querendo é impedir que as novas tecnologias ofereçam aos passageiros e motoristas, os dois lados do mercado, a possibilidade de eles interagirem entre si, para preservar um mercado que até hoje tem sido monopolizado pelos taxistas”, acrescentou.

O modelo dos aplicativos fica inviabilizado, segundo Azevedo, devido aos entraves burocráticos que os condutores terão de enfrentar. “Vai ter que fazer uma concessão que não é para uma plataforma, é para cada motorista. Isso vai tornar todo o sistema mais engessado, de mais difícil execução”, enfatizou.

Brasília - Taxistas comemoram aprovação do projeto de lei que trata da regulamentação de serviços de transporte individual privado por meio de aplicativos, como o Uber (Wilson Dias/Agência Brasil)

Taxistas festejam aprrovação de PL que regulamenta serviços de transporte individual privado por meio de  aplicativo   Wilson  Dias/Arquivo/Agência  Brasil

Para o analista, a regulação deveria ocorrer de outra forma, como foi feito, por exemplo, na cidade de São Paulo, onde a prefeitura determinou o cadastramento das empresas que oferecem o serviço e uma taxa a ser paga por corrida e quilômetro rodado. “Uma tarifa que faça incorporar no preço do serviço o custo que ele impõe para a sociedade”, disse Azevedo, ao lembrar que o uso da infraestrutura viária representa um custo para a sociedade, por isso, a necessidade de remuneração.

Na visão de Azevedo, há espaço para que ambos sistemas convivam. Ele lembra que, como serviço público, os táxis têm vantagens em relação aos carros particulares, como a possibilidade de circular em faixas exclusivas de ônibus, no caso da cidade de São Paulo. “Eles conseguem trafegar em uma velocidade muito maior do que um carro que seja de um aplicativo. Com isso, você consegue dar condições para o táxi sobreviver e competir.”

O professor do Instituto de Direito Público Luiz Fernando do Amaral também considera que o PL 5.587/2016 provoca desequilíbrio no mercado ao colocar os aplicativos sob a mesma regulação dos táxis. “Talvez fosse o caso de flexibilizar o serviço de táxi”, ponderou.

Amaral acredita, no entanto, que existem problemas no modelo dos aplicativos, como a remuneração muito baixa paga aos condutores. “Os aplicativos baixaram muito os valores. Não tenho dúvida de que esses valores não são suficientes para manutenção dos veículos”, disse. Segundo Amaral, as empresas que controlam os serviços precisam investir em qualidade.

Edição: Luana Lourenço

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias
Live Jair Bolsonaro 13.08.2020
Política

Bolsonaro: não existe tentativa de furar o teto de gastos

Bolsonaro defendeu a realização de investimentos públicos em áreas sociais e obras de infraestrutura, mas disse que não existe tentativa de "golpe" para "furar o teto".

A partir de hoje (17) estão liberadas as práticas de esportes coletivos como vôlei, futevôlei, beach tennis e futebol nas praias do Rio de Janeiro.
Geral

Senado aprova auxílio de R$ 600 para trabalhadores do esporte

O Senado aprovou hoje um projeto de lei que regulariza o recebimento do auxílio emergencial por funcionários e atletas do setor de esportes.

Edifício sede do Superior Tribunal de Justiça STJ
Justiça

Ministro do STJ revoga prisão domiciliar de Queiroz e esposa

 Fabrício Queiroz é investigado em um suposto esquema de rachadinha na Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro. 

Vista geral da favela Morro Azul, na zona sul do Rio de Janeiro.
Geral

Rio: 1,4 mil mortes por covid-19 foram em favelas, mostra painel

Número se referem às favelas da capital. O estado do Rio de Janeiro registrou 14.080 óbitos desde a chegada do novo coronavírus no Brasil, dos quais 8.612  na capital.

O TSE aumentou o esquema de segurança para acessar o prédio do tribunal neste domingo
Justiça

TSE adia decisão a respeito de tese sobre abuso de poder religioso

Até o momento, os ministros Alexandre de Moraes e Tarcísio de Carvalho Neto votaram contra a medida. Somente o relator, Edson Fachin, defendeu a tese para punição. 

Escola fechada por cinco dias após relatos de coronavírus.
Justiça

TJRJ determina que escolas se preparem para retorno, mesmo em greve

Decisão diz que 70% dos funcionários do administrativo devem retornar ao trabalho presencial, mesmo durante a greve, para prepararem a volta às aulas.