Refugiados fazem curso do Senac para inserção no mercado de trabalho

A primeira turma do curso de garçom começou em 14 de janeiro

Publicado em 19/02/2019 - 17:30 Por Letycia Bond - Repórter da Agência Brasil - Brasília

Há um ano e seis meses, o venezuelano Christhian Indriago, 31 anos, chegou ao Brasil, junto com a esposa, 28 anos, e o filho, 3 anos. A família se instalou em Roraima, mas há três meses mudou-se para Brasília. Desde que chegou ao Brasil, Indriago, que tem diploma de graduação e atuava na indústria de alumínio na Venezuela, teve de trabalhar como auxiliar de pedreiro para garantir o sustento. Além de batalhar pela sobrevivência em um novo país, lamenta a distância da família. "Meu pai morreu e eu não pude ir ao funeral", conta o venezuelano em entrevista à Agência Brasil

Indriago é um dos nove alunos refugiados que participam da primeira edição do curso de garçom oferecido pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac). A iniciativa, que começou em 14 de janeiro, é feita em parceria com a Secretaria Nacional de Justiça, subordinada ao Ministério da Justiça e Segurança Pública. A ideia é ajudar na inserção dos refugiados no mercado de trabalho brasileiro.

A turma de alunos do curso oferecido pelo Senac DF/Foto: Isaac Amorim
A turma de alunos do curso oferecido pelo Senac DF - Isaac Amorim/AG.MJ

O venezuelano afirmou sentir gratidão pela nova oportunidade, apesar da queda no padrão de vida. Ele destacou, porém, que o acolhimento recebido não é suficiente para estancar a saudade de casa. "Não tem nada como o nosso lar", disse. "Minha avó tem 77 anos. Eu fui criado por ela, não pela minha mãe. Às vezes, eu penso: 'Será que fico aqui por cinco anos?'. Não sei se ela vai morrer primeiro", disse, com voz embargada e lágrimas nos olhos.  

Uma das cinco conterrâneas de Indriago no curso, a engenheira industrial Yenni Torres passou também a residir na capital federal depois de aderir ao projeto de interiorização do governo brasileiro. Com um ano completado este mês, a Operação Acolhida - como é chamada a articulação de ajuda humanitária a refugiados e imigrantes venezuelanos - já transferiu 4.564 pessoas dos abrigos de Roraima para 17 estados.

Yenni disse que compreendeu a dimensão da crise humanitária de seu país ao constatar que o salário não rendia para comprar alimentos para família. Foi quando decidiu, em 2017, buscar uma alternativa em território brasileiro, acompanhada do marido, também engenheiro, de 42 anos, do filho, de 14, e da filha, de 8.

Venezuelana
A venezuelana Yenni Torres é uma das alunas do curso - Isaac Amorim/AG.MJ

No período em que viveu em Boa Vista, Yenni e o companheiro chegaram a vender bolos e pastéis para sobreviver. "Vive-se dia a dia", afirmou. "Eu faço um esforço por causa do meu filho. Porque ele tem direito a estudar, de sair de um colégio para a universidade. Eu pude estudar, por um esforço dos meus pais", desabafou, emocionada.

Curso

Além dos seis venezuelanos, a turma do curso de graçom tem dois refugiados de Camarões, uma de Gana e quatro brasileiros. Eles recebem ensinamentos que abrangem toda a cadeia de um restaurante, desde o recebimento de suprimentos, normas de higiene a características de coquetéis e harmonização de vinhos. "Isso faz com que o aluno tenha uma inserção muito maior dentro dos processos de mercado e pedagógicos. A gente consegue trabalhar com todas as noções daquilo que o mercado necessita", ressaltou Helvio Cassiano, professor do Senac.

O projeto-piloto do curso tem carga de 240 horas e previsão de encerramento para 7 de março. As aulas, oferecidas gratuitamente, estão sendo realizadas no restaurante-escola do Senac, instalado no anexo do prédio do ministério. A unidade foi escolhida por dispor, ao mesmo tempo, de um espaço de buffet, um de serviço à la carte e um bistrô. Ao todo, são servidas ali, diariamente, mil refeições, segundo Cassiano. 

O professor destacou que ao final do primeiro mês de curso, já é vísivel a melhora na autoestima dos alunos. Apesar disso, o fato de terem deixado para trás os familiares é ainda algo que os marca. "Muitos dizem: 'Estou aqui almoçando, mas minha família não tem comida lá'", disse.

Edição: Carolina Pimentel

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias
Brasília - Movimento nas rodovias do Distrito Federal na véspera do feriado de Carnaval (Elza Fiuza/Agência Brasil)
Economia

Pesquisa mostra que brasileiro viajou pouco no 3º trimestre de 2019

Os principais motivos alegados para nenhum morador do domicílio ter viajado no período pesquisado foi a falta de dinheiro (48,9%), falta de tempo (18,5%) e não ter necessidade (13,5%).

Internacional

Bielorrússia e Líbano são temas de reunião da UE na sexta-feira

"As eleições não foram nem livres nem justas. Procederemos a uma revisão aprofundada das relações da UE com a Bielorrússia, afirmaram em comunicado os 27 países do bloco.

Forte explosão na região portuária de Beirute
Política

Missão brasileira embarca com 6 toneladas de material a Beirute

Chefiada pelo ex-presidente Michel Temer, a missão leva 6 toneladas de materiais entre medicamentos, e alimentos a Beirute, que foi fortemente afetada por uma explosão há oito dias.

Fachada da Caixa Econômica Federal
Economia

Caixa credita hoje auxílio emergencial para nascidos em julho

O auxílio, com parcelas de R$ 600 (R$ 1,2 mil para mães solteiras), foi criado para reduzir os efeitos da crise econômica causada pela pandemia de covid-19.

Londres, coronavírus, covid - 19
Internacional

Museu da Ciência reabrirá em Londres no próximo dia 19

Museu oferece ingressos online com hora marcada para um número reduzido de visitantes, a fim de permitir o distanciamento social e controlar a movimentação.

Pessoas em parque de Paris
Internacional

França: nova onda de covid-19 pode ter controle mais difícil

O presidente Emmanuel Macron, afirmou, em videoconferência com ministros, que a França vai adotar novas restrições para as 20 maiores cidades do país, visando a  conter a taxa de infecções.