Aumento de produção de alimentos é o desafio da Venezuela

Governistas e opositores concordam sobre a necessidade de medidas para

Publicado em 14/03/2014 - 09:57 Por Leandra Felipe - Correspondente da Agência Brasil/EBC - San Cristóbal (Venzezuela)

Banner Venezuela

Graças às missões alimentícias na Venezuela, as políticas no país foram reconhecidas no ano passado, pelas Nações Unidas, como "eficazes" no combate à fome. A segurança alimentar foi prioridade desde o início do governo de Hugo Chávez. Dessa forma se estabeleceram as missões sociais, voltadas para a área de segurança alimentar como a Missão Mercal S.A, mercado de alimentos, e a Produtora e Distribuidora Venezuelana de Alimentos (Pdval), que vendem produtos a preços subsidiados pelo governo.

As missões mudaram radicalmente o sistema de distribuição alimentar e influenciaram no formato do mercado. No país, existem supermercados privados e estatais. Por meio dos respectivos programas, o governo subsidia a venda de produtos da cesta básica à população. Os produtos de primeira necessidade são vendidos em armazéns e supermercados a preços até 45% mais baixos que os observados em redes privadas.

Nos estabelecimentos particulares o governo também estipula um controle de preços e determina que eles não devem ultrapassar um patamar de lucro, determinado pela chamada Lei de Preços Justos. Ela estabelece uma margem de lucro de até 30% sobre o valor do produto. A lei começou a ser aplicada em fevereiro, antes da onda de protestos.

Segundo dados oficiais, existem mais de 27 mil pontos de venda fixos e móveis em território venezuelano. Nas redes estatais, a distribuição de alimentos é feita diretamente pelo governo, o que elimina a presença de intermediários na cadeia produtiva. Os produtos são obtidos por meio de importações - maior parte – e, também, pela cadeia produtiva privada e estatal.

Parte do suprimento de importações vem de acordos bilaterais ou multilaterais, no âmbito de blocos como o Mercado Comum do Sul (Mercosul) e a Aliança Bolivariana das Nações (Alba). O Mercal também vende produtos em mercadinhos, as chamadas bodegas, em formato reduzido, com bancas ou caminhões.

A Produtora e Distribuidora Venezuelana de Alimentos (Pdval) é uma empresa estatal mantida com recursos da Petróleos Venezuela S.A (Pdvsa) que vende frango, carne, leite, ovos e outros produtos com preços regulados pelo governo.

A Agência Brasil pesquisou preços de produtos vendidos pela rede Mercal, Pdval e supermercados privados. A diferença na rede privada e estatal é considerável. Um litro de óleo, por exemplo, custa cerca de 3 bolívares (R$1,1 no câmbio oficial). Na rede privada, o mesmo produto pode ser vendido por cerca de 35 bolívares e no mercado ilegal, chega a custar 70 bolívares.

Periodicamente, o governo atualiza uma lista de preços dos produtos regulados, a maioria deles da cesta básica e de primeira necessidade. A lista é divulgada pelo Instituto para a Defesa das Pessoas em Acesso a Bens e Serviços (Indepabis). Cereais, pães, macarrão, óleo, carnes, açúcar, leite, café, papel higiênico e sabonete são alguns dos produtos que fazem parte da lista. Uma lata de leite em pó, por exemplo, deve ser vendida a 36,44 bolívares.

Para alguns analistas no país, o problema de abastecimento está relacionado à falta de investimento do governo no setor privado e na dependência de importações. O desabastecimento atinge tanto a rede privada quanto a estatal.

Outros estudiosos, entretanto, dão razão ao governo sobre as alegações que o maior problema da falta de abastecimento é a “postura do setor empresarial”, que não aceita uma margem menor de lucro e deixa de investir e comprar produtos.

A explicação para a crise e a escassez muda conforme o viés defendido. Mas tanto governistas, apoiadores do chavismo, quanto opositores concordam sobre a necessidade de adoção de medidas para impulsionar a produção.

Edição: Marcos Chagas

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias
basquete em cadeira de rodas, seleção brasileira, Rio 2026
Esportes

Coluna - Justo ou injusto?

Reclassificação no basquete tira atletas do movimento paralímpico. Dos 132 reenquadrados, 119 foram considerados aptos a competir em Tóquio, e nove inelegíveis.

 

Ensino a distância cresce mais que presencial
Educação

MEC autoriza aulas a distância em escolas técnicas federais de ensino

Instituições que optarem por suspender aulas presenciais deverão repô-las integralmente e poderão alterar calendários escolares, inclusive recessos e férias.

A Polícia Federal prende o banqueiro Eduardo Plass em nova etapa da Operação Hashtag, desbodramento da Lava Jato no Rio de Janeiro.
Geral

Polícia Federal faz operação contra fraudes nos Correios

Cargas eram distribuídas no fluxo postal sem faturamento ou com faturamento inferior, dando prejuízo de R$ 94 milhões aos Correios. Foram expedidos mandados de afastamento de funcionários.

Governo de São Paulo inicia testes com vacina contra o novo coronavírus.
Saúde

São Paulo usa Metrô para vacinar adultos e crianças 

Não é necessário apresentar carteirinha de vacinação. Em todas as estações do Metrô de São Paulo, a campanha estará na área livre do mezanino. Vacinas evitam diversas doenças.

O ministro Gilmar Mendes, durante a segunda parte da sessão de hoje (23) para julgamento sobre a validade da prisão em segunda instância do Supremo Tribunal Federal (STF).
Justiça

Gilmar Mendes suspende efeitos de veto sobre uso máscara em presídios

A decisão suspende “apenas os efeitos dos vetos feitos por meio de republicação, após o prazo de 15 dias para o exercício da deliberação executiva sobre o projeto de lei”, diz STF.

Cataratas do Iguaçu em Foz do Iguaçu/PR
Geral

Parque Nacional do Iguaçu retoma atividades a partir de hoje

Entre as medidas obrigatórias para acessar a unidade de conservação estão a redução da capacidade do local, aferição da temperatura, o distanciamento entre as pessoas e uso correto da máscara.