Coligação internacional matou 4.108 membros do Estado Islâmico em um ano e meio

Publicado em 23/03/2016 - 08:11 Por Da Agência Lusa - Beirute

Pelo menos 4.108 membros do grupo Estado Islâmico (EI) morreram no último ano e meio pelos bombardeios da coligação internacional na Síria. A informação foi divulgada hoje (23) pelo Observatório Sírio de Direitos Humanos (OSDH). Segundo os dados do observatório, a maioria dos jihadistas mortos não tem nacionalidade síria.

As mortes ocorreram em bombardeios liderados pelos Estados Unidos, contra posições, bases e instalações petrolíferas controladas pelo EI nas províncias de Homs e Hama, centro da Síria, e em Alepo, Al Hasal, Deir Al Zur e Al Raqa, no norte.

A ONG destacou que entre as vítimas estão dezenas de dirigentes do Estado Islâmico, entre eles Abu Omar Al Shishani, um dos chefes militares do movimentos terrorista, morto na sequência de um ataque aéreo dos Estados Unidos na localidade de Al Shadadi, na província de Al Hasaka, no dia 4 deste mês.

Os bombardeios da coligação, que começaram em 23 de setembro de 2014 na Síria, não só provocaram a morte de terroristas como também de civis e membros de outros grupos armados.

De acordo com os dados do observatório, pelo menos 380 civis, entre eles 99 menores e 67 mulheres, perderam a vida, enquanto pelo menos 136 milicianos da Frente al Nusra, filial síria da Al Qaeda, foram mortos em ataques às respetivas bases no oeste de Alepo e no norte da província de Idleb.

Os aviões da aliança internacional também bombardearam posições do Exército de Sunna (radicais) em Idleb, matando 10 pessoas.

Alem dessas vítimas o OSDH também cita as mortes de um segurança de um campo petrolífero em Al Omar, na província de Deir al Zur, bem como um dirigente do Estado Islâmico, que morreu junto com sua mulher e seus quatro filhos em um bombardeio em Dabiq, em Alepo.

No fim de junho de 2014, o EI proclamou um califado na Sìria e no Iraque, depois de conquistar partes do norte e do centro dos dois países.

A organização terrorista reivindicou a autoria dos atentados de terça-feira (22) em Bruxelas, que deixaram 34 mortos e mais de 200 feridos.

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias
Edifício do Banco Central no Setor Bancário Norte
Economia

Mercado financeiro projeta queda de 5,62% na economia este ano

Segundo BC, para o próximo ano, a expectativa é de crescimento de 3,50%, a mesma previsão há 11 semanas consecutivas.

Uma mulher usando uma máscara passa pela sede do Banco Popular da China, o banco central, em Pequim, na China, quando o país é atingido por um surto do novo coronavírus, em 3 de fevereiro de 2020. REUTERS / Jason Lee
Internacional

Pequim impõe sanções contra 11 funcionários dos EUA em retaliação

Decisão é semelhante a uma medida retaliatória adotada por Pequim em meados de junho, quando baniu a entrada na China de membros do Congresso dos EUA e de um diplomata.

O presidente do Supremo Tribunal Federal, Dias Toffoli, durante reunião com o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia.
Política

Presidente do STF é internado em Brasília

Segundo nota divulgada ontem pela assessoria de imprensa do Supremo, o ministro testou negativo para covid-19 e despachará normalmente durante a internação.

Manifestantes carregam bandeiras nacionais durante um protesto contra o governo no centro de Beirute, Líbano, em 20 de outubro de 2019
Internacional

Procuradoria-Geral do Líbano ouve responsáveis pela segurança

O presidente libanês, Michel Aoun, considerou "o pedido de investigação internacional sobre o caso do porto uma perda de tempo" acrescentando que o Poder Judiciário do país deve ser rápido 

Geral

Deslizamento na Mangueira: 22 casas são interditadas

De acordo com a Secretaria Municipal de Assistência Social e Direitos Humanos, as 17 famílias afetadas pela nova interdição retiraram os pertences do local ontem e foram para casas de parentes.

Britain's Prime Minister Boris Johnson to return to work on Monday
Internacional

Premiê britânico diz que escolas precisam reabrir em setembro

“Manter nossas escolas fechadas por mais um momento do que o absolutamente necessário é socialmente intolerável, economicamente insustentável e moralmente indefensável”, afirmou Johnson.