Organizações e população reagem a novo decreto de imigração de Trump

Publicado em 07/03/2017 - 21:46 Por Paola De Orte - Correspondente da Agência Brasil - Washington

Donald Trump classificou Obama de pessoa ruim e doente

Donald Trump assinou novo decreto que restringe imigraçãoAgência Lusa/EPA/Aude Guerrucci

Após o novo decreto do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que barra por 90 dias a partir do dia 16 de março a entrada nos Estados Unidos de cidadãos de seis países muçulmanos – Irã, Líbia, Síria, Somália, Sudão e Iêmen –, organizações internacionais e não governamentais reagiram à medida. Na capital, Washington, houve protestos da população. Manifestantes seguravam cartazes a favor dos refugiados e contra a ordem executiva.

A Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) disse que eles “precisam urgentemente de proteção para salvar suas vidas”. Já o Alto Comissário da ONU para Refugiados, FIlippo Grandi, afirmou que está preocupado com a decisão, que, apesar de ser temporária, pode “agravar a angústia de quem foi afetado por ela”.

A Casa Branca informou hoje que o novo decreto, chamado de “Protegendo a nação da entrada de terroristas estrangeiros nos Estados Unidos” terá um “impacto mínimo” no orçamento do governo. O porta-voz de Trump, Sean Spicer, defendeu o decreto e disse que o governo não quis esperar até que a Justiça terminasse de julgar o processo contra a primeira ordem executiva, de janeiro deste ano, que também proibia a entrada de cidadãos de sete países muçulmanos – o Iraque foi poupado do segundo decreto – e foi suspenso por um juiz do estado de Washington.

O procurador-geral do estado de Washington, Bob Ferguson, declarou que vai avaliar se o estado tomará alguma ação contra o novo decreto, mas destacou que “ao revogar a primeira ordem executiva, o presidente Trump deixou algo bem claro: seu banimento a viagens original era indefensável – legal, constitucional e moralmente”.

O Ministério das Relações Exteriores do Iraque declarou que recebeu positivamente o novo decreto, que exclui o país da lista original de sete nações que teriam seus cidadãos impedidos de entrar nos Estados Unidos. Segundo o órgão, a decisão é “um passo importante para fortalecer a aliança estratégica entre Bagdá e Washington nas diferentes áreas de cooperação, especialmente no combate ao terrorismo”. A mídia norte-americana publicou que o país teria sido excluído do segundo decreto depois de Trump ter sido informado de que o Iraque é um importante aliados dos Estados Unidos no Oriente Médio na luta contra o Estado Islâmico. 

O Conselho de Relações entre a América e o Islã condenou o novo decreto, que chamou de “islamofóbico” e lançou uma campanha chamada “#RegisterMeFirst” (“me registre primeiro”, em português). A orgamnização afirma que o presidente Donald Trump defende que os muçulmanos tenham que se registrar para viver nos Estados Unidos, e convida cidadãos americanos não-muçulmanos a pedir para que o governo “os registre primeiro”, antes dos muçulmanos.

A estudante da Índia Deepti Joshi disse que “se o presidente acha que isso vai criar uma sociedade mais unida, não acho que vai". “Os Estados Unidos não são uma nação feita de pessoas de um só lugar, e sim de pessoas do mundo todo”, completou. Beneyam Admasu emigrou da Etiópia, país de maioria cristã e não afetado pelo veto, para os Estados Unidos aos 9 anos. Hoje, com 26, é formado em bioquímica, mas sua principal fonte de renda é como motorista do aplicativo Uber. “Os imigrantes trabalham tanto por este país. Eu trabalho 16 horas por dia, quando eu era adolescente, eu tinha dois empregos enquanto ia para a escola. Você não pode ignorar os imigrantes só porque eles não nasceram aqui”, completou.

Edição: Amanda Cieglinski

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias
O presidente da Russia, Vladimir Putin, durante Diálogo dos Líderes com o Conselho Empresarial do BRICS
Internacional

Rússia anuncia primeira vacina contra a covid-19

Produto foi aprovado pelo Ministério da Saúde. A Rússia espera agora poder iniciar a aplicação em massa, mesmo que estejam ocorrendo ainda testes clínicos para comprovar a segurança do produto.

Idosos moradores do Lar São José, em Sobradinho, no Distrito Federal, recebem presentes de Natal
Direitos Humanos

Covid-19: mais de 330 abrigos de idosos já receberam doações

As instituições que já receberam as doações representam 67% dos abrigos cadastrados na primeira etapa da Campanha Solidarize-se, ação promovida pelo Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos.

Parque Nacional da Tijuca
Geral

Ingresso ao Parque Nacional da Tijuca está 80% mais barato

O desconto tem por objetivo estimular o turismo local e diminuir, a curto prazo, os impactos negativos no equilíbrio econômico-financeiro dos contratos, causados pela pandemia da covid-19.

nascentes devem ser protegidas
Geral

Prazo para inscrições no Prêmio ANA 2020 termina no sábado

Inscrições devem ser feitas pelo site da premiação. Cada participante pode inscrever mais de uma iniciativa. Além disso, poderão ser apresentados trabalhos indicados por terceiros.

Premiê britânico, Boris Johnson, deixa residência oficial em Londres
Internacional

Boris Johnson teme que Reino Unido perca poder se Escócia se separar

Escócia depositou 55% dos votos contra a independência em um referendo de 2014, mas o Partido Nacional Escocês, que governa a nação, quer outro pleito.

Incendios florestais entre Miranda e Corumbá BR 262 e MS 184
Geral

Engajamento da população é vital para evitar incêndio na natureza

Coordenador ambiental diz que a educação tem que começar desde os primeiros anos das crianças, tanto em casa quanto nas escolas.