Liderança da Rússia vive "atrito e confusão" desde motim, diz EUA

Rebelião ocorreu no dia 24 de junho

Publicado em 13/07/2023 - 09:17 Por Idrees Ali - Repórter da Reuters - EUA

A liderança da Rússia está sofrendo com uma quantidade significativa de "atrito e confusão" desde o motim do grupo mercenário Wagner no mês passado, mas o impacto que está tendo nas linhas de frente da guerra na Ucrânia ainda é incerto, disse o principal general dos Estados Unidos nesta quinta-feira (13).

O motim de 24 de junho, liderado pelo chefe do Wagner, Yevgeny Prigozhin, cujos combatentes tomaram a cidade de Rostov-on-Don, no sul do país, e percorreram centenas de quilômetros em direção a Moscou sem praticamente nenhuma resistência, foi abruptamente desarmado em um acordo ostensivamente intermediado pelo presidente de Belarus, Alexander Lukashenko.

Prigozhin disse que o motim não tinha como objetivo derrubar o governo, mas "levar à Justiça" aos chefes do Exército e da Defesa pelo que ele chamou de seus erros e ações não profissionais na Ucrânia.

"Em nível estratégico, está bem claro que há uma quantidade significativa de atrito e confusão", disse o general Mark Milley, chefe do Estado-Maior Conjunto dos EUA, a um pequeno grupo de repórteres que viajava com ele pela Ásia.

"Há muito drama acontecendo nos níveis mais altos. Como tudo isso vai se desenrolar no final do dia? Ainda não tenho certeza", disse Milley. "Não acho que tenhamos terminado com isso. Acho que há muitos outros capítulos a serem ouvidos sobre isso."

Milley disse que as tropas russas de nível inferior na Ucrânia provavelmente estavam mais concentradas na situação local e em sobreviver no dia a dia.

Desde o motim, que representou o maior desafio interno para o Estado russo em décadas, o presidente da Rússia, Vladimir Putin, manteve até agora o ministro da Defesa, Sergei Shoigu, e o chefe do Estado-Maior, Valery Gerasimov, em seus cargos.

Inicialmente, Putin condenou os amotinados como traidores e, em seguida, disse que eles teriam permissão para se refugiar em Belarus. Na última surpresa, o Kremlin disse nesta semana que Putin se encontrou com Prigozhin e seus comandantes apenas cinco dias após o motim.

O paradeiro exato de Prigozhin não foi revelado. Lukashenko primeiro anunciou que Prigozhin estava em Belarus, depois disse na semana passada que ele estava de volta à Rússia.

"Acho que ele vai e volta (entre a Rússia e Belarus) para dizer a verdade", disse Milley, que se recusou a dizer exatamente onde ele acreditava que Prigozhin estava.

*É proibida a reprodução deste conteúdo.

Últimas notícias