Pelo menos 40 morreram em retaliação dos EUA no Iraque e na Síria

Quase 40 pessoas foram mortas

Publicado em 03/02/2024 - 13:45 Por Phil Stewart e Idrees Ali e Timour Azhari - repórteres da Reuters - Washington e Bagdá

Os Estados Unidos lançaram ataques aéreos no Iraque e na Síria contra mais de 85 alvos ligados à Guarda Revolucionária do Irã (IRGC) e às milícias apoiadas por ela, supostamente matando cerca de 40 pessoas, em retaliação a um ataque mortal contra tropas norte-americanas.

Os ataques, que incluíram o uso de bombardeiros B-1 de longo alcance, voados a partir dos Estados Unidos, foram os primeiros em resposta ao ataque do último fim de semana na Jordânia por militantes apoiados pelo Irã, e mais operações militares dos EUA são esperadas para os próximos dias.

A resposta norte-americana intensificou um conflito que se espalhou pela região desde o início da guerra entre Israel e o Hamas, após o ataque mortal do grupo militante palestino contra Israel, em 7 de outubro.

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores do Irã, Nasser Kanaani, disse em um comunicado que os ataques representaram "outro erro aventureiro e estratégico dos Estados Unidos que resultará apenas em maior tensão e instabilidade".

O Iraque convocou o encarregado de negócios dos EUA em Bagdá para apresentar um protesto formal. As Forças de Mobilização Popular do Iraque, uma força de segurança do Estado que inclui grupos apoiados pelo Irã, disseram que 16 de seus membros foram mortos, incluindo combatentes e médicos. O governo disse anteriormente que civis estavam entre os 16 mortos.

Na Síria, os ataques mataram 23 pessoas que estavam vigiando os locais alvejados, disse Rami Abdulrahman, diretor do Observatório Sírio para os Direitos Humanos, que relata a guerra na Síria.

O tenente-general dos EUA Douglas Sims, diretor do Estado-Maior Conjunto, disse que os ataques parecem ter sido bem-sucedidos, provocando grandes explosões secundárias quando as bombas atingiram o armamento dos militantes. Ele disse que os ataques foram realizados sabendo que provavelmente haveria vítimas entre as pessoas que estavam nas instalações.

Apesar dos ataques, o Pentágono disse que não quer guerra com o Irã e não acredita que Teerã queira guerra também, mesmo com o aumento da pressão republicana sobre o presidente dos EUA, Joe Biden, para um golpe direto contra o país.

O Irã, que apoia o Hamas, tem procurado ficar fora do conflito regional, mesmo apoiando grupos que entraram na briga vindos do Líbano, Iêmen, Iraque e Síria - o chamado "Eixo de Resistência" que é hostil a Israel e aos interesses dos EUA.

"Não buscamos o conflito"

O secretário de Defesa dos EUA, Lloyd Austin, disse, após os ataques, que Biden havia orientado uma ação adicional contra o IRGC e aqueles ligados a ele. "Este é o início de nossa resposta", disse Austin.

"Não buscamos conflitos no Oriente Médio ou em qualquer outro lugar, mas o presidente e eu não toleraremos ataques às forças americanas", disse Austin.

Uma declaração do governo iraquiano disse que as áreas bombardeadas pelas aeronaves dos EUA incluíam locais onde as forças de segurança iraquianas estão estacionadas perto de locais civis. Ele disse que 23 pessoas ficaram feridas, além dos 16 mortos.

A Casa Branca disse que os Estados Unidos haviam informado o Iraque antes dos ataques. Mais tarde, Bagdá acusou os Estados Unidos de engano, dizendo que uma alegação dos EUA de coordenação com as autoridades iraquianas era "infundada".

Na sexta-feira, o presidente do Irã, Ebrahim Raisi, disse que seu país não iniciará uma guerra, mas "responderá com veemência" a qualquer um que o intimide. Ele não mencionou os ataques dos EUA em um discurso no sábado, marcando o dia da tecnologia espacial do Irã.

O embaixador do Irã em Damasco, Hossein Akbari, em comentários relatados pela agência de notícias semi-oficial Fars, minimizou os ataques aéreos, negando que alvos ligados ao Irã tenham sido atingidos e dizendo que o objetivo era "destruir a infraestrutura civil da Síria".

O Hamas disse que Washington estava colocando "óleo no fogo".

A Grã-Bretanha chamou os Estados Unidos de seu aliado "inabalável" e disse que apoia o direito de Washington de responder aos ataques.

O Ministro das Relações Exteriores da Polônia, Radek Sikorski, ao chegar para uma reunião da UE em Bruxelas, disse que os ataques dos EUA foram o resultado de representantes iranianos "brincando com fogo".

Mais de 160 ataques às tropas dos EUA

Os ataques atingiram alvos que incluíam centros de comando e controle, foguetes, mísseis e instalações de armazenamento de drones, bem como instalações de logística e cadeia de suprimentos de munição, disseram os militares dos EUA.

No Iraque, os moradores disseram que vários ataques atingiram o bairro de Sikak em Al-Qaim, uma área residencial que, segundo os moradores, também era usada por grupos armados para armazenar grandes quantidades de armas. Os militantes deixaram a área e se esconderam nos dias que se seguiram ao ataque à Jordânia, disseram fontes locais.

Khaled Walid, um morador de Sikak, disse que os ataques dos EUA e as explosões secundárias de munições armazenadas no bairro causaram danos generalizados.

As tropas norte-americanas foram atacadas mais de 160 vezes no Iraque, na Síria e na Jordânia desde 7 de outubro, geralmente com uma mistura de foguetes e drones de ataque unidirecional, o que levou os Estados Unidos a realizar vários ataques de retaliação antes mesmo dos últimos ataques.

Os Estados Unidos avaliaram que o drone que matou os três soldados e feriu mais de 40 outras pessoas na Jordânia foi fabricado pelo Irã, disseram autoridades americanas à Reuters.

"Nossa resposta começou hoje. Ela continuará em momentos e locais de nossa escolha", disse Biden.

O principal republicano do Comitê de Serviços Armados do Senado, Roger Wicker, criticou Biden por não impor um custo alto o suficiente ao Irã e por demorar demais para responder.

Os conselheiros iranianos auxiliam grupos armados tanto no Iraque, onde os Estados Unidos têm cerca de 2.500 soldados, quanto na Síria, onde têm 900.

* É proibida a reprodução deste conteúdo 

Últimas notícias