Sociedade deve participar do debate sobre reforma política, diz ministro do TSE

Publicado em 10/05/2017 - 14:15 Por Débora Brito – Repórter da Agência Brasil - Brasília

Brasília - O corregedor-geral da Justiça Eleitoral, ministro Herman Benjamin, e o deputado Vicente Cândido durante audiência pública da Comissão Especial da Reforma Política, na Câmara dos Deputados (Marcelo Cam

Brasília - O corregedor-geral da Justiça Eleitoral, ministro Herman Benjamin, e o deputado Vicente Cândido durante audiência pública da Comissão Especial da Reforma Política, na Câmara dos Deputados Marcelo Camargo/Agência Brasil

Em audiência pública realizada hoje (10) pela comissão especial que analisa as propostas de reforma política na Câmara, o ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) Herman Benjamin defendeu o financiamento público de campanha. Para o ministro, a atual forma de financiamento eleitoral é um dos problemas mais graves do sistema político brasileiro.

Benjamim, que é o relator no TSE do processo que pede a cassação da chapa da campanha Dilma-Temer, avaliou que a solução baseada no financiamento empresarial “se mostrou a mãe do desastre que nós temos hoje”. Ele argumentou que o atual sistema é “perverso” e criou um “submundo de contribuições” que privilegia os doadores em detrimento dos cidadãos, além de colocar a classe política em um “ambiente de clandestinidade”.

O ministro afirmou ainda que o Brasil passa por uma crise na democracia e que não é possível atribuir o problema da corrupção a apenas um partido. “Nós não temos no Brasil um partido político que seja a mãe ou o pai da corrupção. Então, se imputar a um determinado partido político, qualquer que ele seja, como sendo responsável pela crise ética no Brasil hoje, creio que é esquecer o passado de 500 anos do nosso país”, declarou.

Para Benjamin, é preciso reconhecer que a democracia tem um custo alto e, por isso, ele sugeriu que sejam criados mecanismos em que o próprio eleitor participe do financiamento. “Democracia, como direitos humanos e outros grandes temas da cidadania, tem custo. Alguém acredita que se possa fazer eleição, mesmo em condomínio, sem custo? Então, esta é a primeira constatação que temos que fazer. Então, se tem custo, evidentemente alguém vai ter que pagar por isso. E a questão é: quem vai pagar por isso e de que forma?”, questionou o ministro.

Além do financiamento, o ministro classificou como graves as crises partidária e de transparência. Ele criticou a atuação de pequenos partidos que não apresentam densidade ideológica, nem capacidade de gestão e apontou o problema do atual sistema que permite a eleição de candidatos desconhecidos pelo eleitor.

Benjamim afirmou que o relatório parcial apresentado pelo deputado Vicente Cândido (PT-SP), relator das propostas de reforma política que tramitam na Câmara, traz soluções “corajosas” para estes desafios. Mas, alertou que a sociedade como um todo deve participar do debate acerca da reforma política, pois as mudanças têm “efeitos práticos e concretos” na vida do cidadão.

Questionado sobre o voto em lista preordenada, Benjamin disse que tem preferência pelo voto distrital misto, mas entende a inviabilidade de se adotar este sistema diretamente sem uma transição. O voto em lista fechada, como ficou conhecido, é uma das propostas do relator da reforma política na Câmara.

O ministro Herman Benjamim disse que um grupo de corregedores eleitorais deve terminar hoje à tarde um conjunto de sugestões de reforma político-eleitoral que serão enviadas à comissão especial que analisa atualmente três relatórios elaborados por Vicente Cândido.

O primeiro propõe mudanças nas regras para os mecanismos de democracia direta, como referendo popular, plebiscito e projetos de iniciativa popular; o segundo relatório trata da unificação dos prazos de desincompatiblização de pré-candidatos e o terceiro propõe as mudanças na forma de financiamento das campanhas e sugere a adoção do voto em lista fechada para as próximas eleições, entre outros pontos.

Os dois primeiros relatórios já foram aprovados pelos membros da comissão e o terceiro deve ser votado na próxima semana. Para que as mudanças já sejam válidas nas eleições de 2018, a reforma deve ser aprovado pelo Congresso Nacional até o mês de outubro deste ano.

 

 



Audiência pública da Comissão Especial da Reforma Política

Edição: Denise Griesinger

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias
O presidente Jair Bolsonaro fala à imprensa no Palácio da Alvorada
Política

Bolsonaro nomeia mais dois membros para a Comissão de Ética Pública

A comissão é composta por sete integrantes que tem mandato de três anos, permitida uma única recondução.

Geral

Prefeitura do Rio de Janeiro autoriza volta de eventos corporativos

De acordo com a prefeitura, até o momento as avaliações permitiram a antecipação de três setores da economia: os shoppings, o comércio de rua e agora os eventos de negócios.

Outbreak of the coronavirus disease (COVID-19), in Sao Paulo
Geral

São Paulo interdita 75 bares nos primeiros dias de abertura noturna

Além do horário, a fiscalização também tem observado se estão sendo colocadas mesas na calçada. A desinterdição deve ser solicitada na subprefeitura da região.

Moeda Nacional, Real, Dinheiro, notas de real,Cédulas do real
Economia

IGP-M sobe 1,46% na primeira prévia de agosto

Nos primeiros dez dias de julho, a taxa ficou em 1,18%. O Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA) e o Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) respondem pela aceleração do IGP-M na prévia do mês.

Testes para detecção do Covid-19
Esportes

Covid-19: Corinthians recusa Einstein após atraso com exames do Goiás

Jogo ontem (9) foi suspenso em cima da hora devido a resultados positivos no Esmeraldino. Timão anuncia que recorrerá a "laboratório de confiança"  usado no Estadual. 

Sala de aula
Educação

Alunos do ensino médio público voltam às aulas presenciais no Amazonas

Cerca de 110 mil estudantes de 123 escolas da rede pública do estado devem retornar às salas de aula. Distanciamento social, uso correto de máscaras e aferição de temperatura são medidas obrigatórias.