Grupo pede a Bolsonaro que retire projeto do Orçamento impositivo

PLN está em discussão na Comissão Mista de Orçamento

Publicado em 11/03/2020 - 13:08 Por Andreia Verdélio e Luciano Nascimento – Repórteres da Agência Brasil - Brasília

Um grupo de deputados e senadores encaminhou, hoje (11), ao presidente Jair Bolsonaro, uma carta pedindo a retirada do projeto de lei do Congresso Nacional 4/2020 (PLN 4/2020), que trata da recomposição de recursos no orçamento impositivo. O PLN está em análise na Comissão Mista de Orçamento (CMO) e tem a previsão de ser votado nesta quarta-feira (11) no colegiado.

Os parlamentares foram recebidos, no Palácio do Planalto, pela equipe do ministro da Secretaria de Governo, Luiz Eduardo Ramos, responsável pela articulação política com o Congresso Nacional.

De acordo com grupo, que reúne deputados e senadores da base do governo, de oposição e independentes, a carta tem quase 100 assinaturas de parlamentares, e a expectativa é atingir a maioria absoluta de assinaturas. “Ao longo do dia não temos nenhuma dúvida que chegaremos à maioria absoluta das duas casas para que o presidente [Jair Bolsonaro] tenha ainda esse sentimento de conforto de que, além do clamor popular, há uma maioria no Congresso Nacional solicitando a retirada do PLN”, disse o deputado Marcel van Hattem (Novo-RS) ao deixar o Palácio do Planalto.

Rio de Janeiro - O senador Randolfe Rodrigues (Rede) durante debate na Associação Brasileira de Imprensa  (Fernando Frazão/Agência Brasil)
Senador Randolfe Rodrigues disse que recursos podem ser executados e devem ser executados pelo Executivo - Arquivo/Agência Brasil

Antes da entrega do documento, parlamentares favoráveis à retirada do projeto concederam uma entrevista coletiva no Salão Verde da Câmara. De acordo com o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), a iniciativa reforça uma manifestação de Bolsonaro, que disse ser contra a matéria.

"Se, de fato, o presidente considera um absurdo esse PLN e se o próprio presidente da República manifestou ser ideal que os parlamentares derrotem esse PLN, encaminhado por ele próprio, ele tem a prerrogativa, a possibilidade de, utilizando o Regimento Comum da Casa, pedir a retirada do projeto", disse o senador.

Segundo Randolfe, a proposta entrega R$ 15 bilhões ou R$ 20 bilhões do Orçamento para ser utilizado em emendas pelo Congresso. “Compreendemos que esses recursos podem ser executados e devem ser executados por quem tem essa responsabilidade, no princípio da separação dos poderes, que é o Executivo", disse o senador, acrescentando que os recursos podem ser usados em programas sociais ou no combate ao coronavírus (Covid-19), por exemplo.

Além de contrários à nova configuração do Orçamento impositivo, o grupo de parlamentares argumenta ainda que não há fontes garantidas para cobrir os custos com as emendas de relator, a exemplo de lucros e dividendos de estatais e de recursos previstos na PEC Emergencial, que ainda está tramitando no Congresso.

"Fica uma confusão na opinião pública, na medida em que o presidente ou pessoas mais próximas ao presidente fazem a divulgação como se fosse uma chantagem do Congresso em relação ao Executivo. Não houve exigência do Congresso Nacional para o encaminhamento de PLN's”, argumentou o senador Major Olímpio (PSL-SP).

Edição: Fernando Fraga

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias