Marqueteiro de Bolsonaro queria código-fonte falso, afirma Delgatti

Meta era desacreditar segurança das urnas eletrônicas

Publicado em 17/08/2023 - 14:54 Por Lucas Pordeus León - Repórter da Agência Brasil - Brasília

O marqueteiro da campanha eleitoral de 2022 do ex-presidente Jair Bolsonaro teria pedido ao hacker Walter Delgatti Netto para simular um código-fonte falso visando desacreditar a segurança das urnas eletrônicas.

A informação foi divulgada por Delgatti nesta quinta-feira (17), durante depoimento à Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI), do Congresso Nacional, que apura os atos golpistas de 8 de janeiro deste ano. O código-fonte é o software responsável pelo funcionamento de uma urna eletrônica.  

O marqueteiro Duda Lima teria participado de uma das reuniões para discutir o papel de Delgatti na campanha de Bolsonaro à reeleição. “Inicialmente, [o marqueteiro] disse que o ideal seria eu fazer uma entrevista, participar de uma entrevista com a esquerda e, de forma espontânea, falar sobre as urnas”, revelou.  

A segunda proposta do marqueteiro de Bolsonaro, ainda segundo Delgatti, era que o hacker simulasse um código-fonte falso. “Eu faria o meu [código-fonte], não o do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), só mostrando para a população que é possível apertar um voto e imprimir outro. Era essa a ideia”, afirmou o hacker. Acrescentou que o objetivo era apresentar um vídeo com esse conteúdo para ser divulgado no dia 7 de setembro, quando havia grande mobilização de apoiadores do ex-presidente em Brasília.  

Especialistas independentes

Segundo o TSE, o código-fonte é testado por especialistas independentes antes de ser usado nas eleições, o que inviabiliza qualquer vulnerabilidade ao sistema. 

Para a relatora da CPMI, senadora Eliziane Gama (PSD-MA), tratou-se de uma tentativa de produzir uma peça publicitária de campanha usando Delgatti como garoto-propaganda.

“Seria uma urna que, num vídeo, numa apresentação publicitária, teria um código-fonte manipulado”, explicou a senadora, que tem pedido a quebra dos sigilos telemáticos dos citados por Delgatti, incluindo o publicitário Duda Lima.  

Segundo Delgatti, as duas ideias não foram concretizadas porque o plano vazou para a imprensa. “O meu encontro saiu na mídia e, por esse motivo, eles cancelaram isso”, concluiu. 

A reportagem da Agência Brasil está buscando contato do marqueteiro Duda Lima e deixa espaço aberto a manifestações.

Edição: Kleber Sampaio

Últimas notícias