Na Trilha da História: Historiadora conta como surgiu o samba no Brasil

Na Trilha da História

Publicado em 02/12/2017 - 07:52 Por Apresentação Isabela Azevedo - Brasília

Olá, eu sou a Isabela Azevedo, e está começando mais uma versão reduzida do Na Trilha da História. Hoje, nos vamos conversar sobre as origens do samba e dos primeiros grandes sambistas brasileiros.

 

Nossa entrevistada é a historiadora Maria Clementina Pereira Cunha, doutora em história social pela Universidade de São Paulo (USP), professora associada da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), e autora do livro Não tá sopa. Maria Clementina lembra que no início do século 20, o Rio de Janeiro estava repleto de influências musicais diversas.

 

Sonora: "No início do século, você tem uma infinidade de ritmos, o lundu, o jongo, que vêm da experiência da escravidão. Mas você também tem a polca, o choro, o maxixe."

 

No final do século 19, a palavra "samba" já existia, mas com um significado bem diferente.

 

Sonora: "Significou, por muito tempo, um tipo de baile, que era associado à música e à dança popular."

 

Foi nas primeiras décadas do século 20 que o termo começou a designar um estilo musical específico. Mas onde nasceu o samba?

 

Sonora: "Os sambistas disputavam. Uns diziam que era do Rio, outros da Bahia e outros de todo o Nordeste."

 

Em 1916, Donga registrou a canção Pelo telefone. A música foi gravada no ano seguinte por Baiano e até hoje costuma ser festejada como o primeiro samba. Mas será isso mesmo?

 

Sonora: "Certamente não foi pelo telefone não. Canções anteriores e que se intitularam, por exemplo, Samba em Casa de uma Bahiana, é uma música instrumental."

 

Na época dos primeiros sambas, os direitos autorais ainda eram uma realidade distante, e a música era de quem registrasse primeiro. A historiadora Maria Clementina dá o exemplo da música Pelo telefone.

 

Sonora: "Ele [o samba]  foi composto numa roda de partido alto, feita com o mínimo de instrumentação, um refrão fixo e improvisação."

 

Esta foi a versão reduzida do Na Trilha da História. O episódio completo tem 55 minutos e traz, além da entrevista na íntegra com a historiadora Maria Clementina Pereira Cunha, sambas antigos regravados por grandes nomes da música popular brasileira. Para ouvir acesse: radios.ebc.com.br/natrilhadahistoria. E se você quiser mandar uma mensagem pra gente, no e-mail é culturaearte@ebc.com.br. Até semana que vem, pessoal!

 

 

Na Trilha da História: Apresenta temas da história do Brasil e do mundo de forma descontraída, privilegiando a participação de pesquisadores e testemunhas de importantes acontecimentos. Os episódios são marcados por curiosidades raramente ensinadas em sala de aula. É publicado semanalmente. Acesse aqui as edições anteriores.

Últimas notícias
Geral

Lei que criminaliza bullying prevê pena de até quatro anos de prisão

O objetivo da lei, sancionada este ano, é inibir essa prática nas escolas e, principalmente, no mundo virtual, onde o Brasil está no topo da lista nesse assunto. Menores de idade podem ser responsabilizados pela Vara da Infância e da Juventude.

Baixar arquivo
Geral

Brasil pede esforço para conter escalada de tensão no Oriente Médio

O governo brasileiro manifestou grave preocupação com os relatos de envio de drones e mísseis do Irã em direção a Israel. O comunicado pede que todas as partes envolvidas exerçam máxima contenção e chama a comunidade internacional para mobilizar esforços e evitar uma escalada.

Baixar arquivo
Internacional

Ruas de Israel amanhecem vazias após ataques do Irã

Domingo é o primeiro dia da semana de trabalho em Israel. Depois de uma madrugada em claro, acompanhando ao vivo os ataques, os israelenses acordaram com uma sensação ambígua: o alívio pelo bom funcionamento do sistema de defesa, mas também o temor do que está por vir.

Baixar arquivo
Política

Renegociação de dívidas e PEC das Drogas agitam o Senado

PEC das Drogas, renegociação de dívida dos estados, revisão do Código Civil, Imposto de Renda. A semana vai ser cheia no Senado.

Baixar arquivo
Internacional

Irã afirma que não pretende seguir com ataques contra Israel

O chefe das Forças Armadas iranianas, Mohammad Bagheri, indicou nesta manhã que o ataque contra Israel na noite de sábado "atingiu todos os seus objetivos" e que Teerã não tem "nenhuma intenção" de dar sequência à operação. 

Baixar arquivo
Saúde

Ficar sentado por muito tempo é um dos grandes vilões para o coração

Estudos recentes constatam a importância do movimento para a saúde cardiovascular. Idosos que ficaram sentados 30 minutos a menos, todos os dias, diminuíram a pressão arterial.

Baixar arquivo