Massacre de Eldorado dos Carajás completa 25 anos

Apenas dois militares da tropa de 150 policiais foram condenados

Publicado em 17/04/2021 - 11:50 Por Maíra Heinen* - Rádio Nacional - Brasília

Medo. A sensação sufocante, combinada com as lembranças, persiste 25 anos depois. Raimundo dos Santos Gouveia e Maria Zeuzuíta Oliveira de Araújo são sobreviventes de um dos mais sangrentos episódios da história brasileira contemporânea: o massacre de Eldorado dos Carajás.

Em 17 de abril de 1996, Gouveia e Zeuzuíta eram alguns dos integrantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) que ocupavam a chamada curva do S, na BR-155, na região Sudeste do Pará. Protestavam contra a demora da reforma agrária na região. Ali, viram a execução de 19 pessoas e sofreram pela morte de outros dois companheiros no hospital.

A luta de Gouveia e Maria Zeuzuíta era por direitos. Pleiteavam a desocupação de um latifúndio improdutivo,  a fazenda Macaxeira,  para transformar em roça para a família. E apesar do clima tenso que já havia na área, foram surpreendidos por uma tropa de 155 policiais militares que chegaram atirando.

Hoje o sr Gouveia tem a sua roça, no Assentamento 17 de abril. Dona Zeuzuíta também é assentada na mesma área e também cozinheira na Escola Oziel Alves Pereira, dentro do assentamento. Ela fala dos sonhos interrompidos pelos assassinatos.

Acompanhar o caso do Massacre na justiça foi exaustivo para Marco Aurélio do Nascimento, o promotor de justiça do Ministério Público do Pará que atuou no caso. Entre as dificuldades, ele destaca as modificações na cena do crime.

Apenas os dois comandantes da operação foram condenados neste caso: Coronel Mário Pantoja, que morreu em 2020 por complicações da COVID-19, e o major José Maria de Oliveira.

Conflitos agrário no país

O estado do Pará contabiliza mais massacres e mortes no Brasil. Baseado em documentos da Comissão Pastoral da Terra, o professor e historiador Airton dos Reis Pereira, da Universidade Estadual do Pará, contabilizou entre 1985 e 2019, 49 massacres no Brasil. 28 deles no Pará. Ele lembra que o cenário violento continua, e destaca o massacre de Pau d’Arco em 2017, também envolvendo a Polícia Militar do Pará, e que deixou 10 mortos.

A reportagem procurou a Polícia Militar do Pará para comentar os 25 anos do massacre de Eldorado dos Carajás, mas a PM informou que não havia porta-voz para comentar o assunto.

*Produção de Michelle Moreira

 

Edição: Nadia Faggiani / L Pedrosa

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias
Geral

Satélites em órbita fazem parte da nossa realidade, diz especialista

Os satélites não são apenas importantes para as telecomunicações, são essenciais. Sem eles, você não estaria acompanhando essa reportagem agora.

Baixar arquivo
Geral

Senado aprova projeto que beneficia vítimas de violência doméstica

A proposta reserva 10% das unidades habitacionais  às mulheres vítimas de violência em programas de habitação financiados com recursos públicos, como o Casa Verde e Amarela.

Baixar arquivo
Política

Caixa disponibilizará R$ 15 bilhões em crédito para o agronegócio

A Caixa Econômica Federal vai fazer parte do Plano Safra, o programa que disponibiliza crédito para o agronegócio. É a primeira vez que o banco integra o financiamento da safra nacional com uma linha de crédito que será destinado aos pequenos e médios produtores.

Baixar arquivo
Esportes

Palmeiras vence Santos por 3 a 2

O Palmeiras venceu o Santos por 3 a 2, pelo campeonato paulista. E neste sábado (8) teremos campeonato carioca, com Vasco e Madureira e Flamengo e Volta Redonda. 

Confira as informações do futebol com Bruno Mendes. 

Baixar arquivo
Geral

Domingo é Dia das Mães e as que estão em home office superam desafios

Com a pandemia, veio a realidade do home office.Com mudanças tão desafiadoras na rotina, a psicóloga Carla Antloga, avalia ser difícil que isso não afete na produtividade, mas a sociedade, empresas e órgãos precisam olhar os prazos e demandas das mães de formas diferentes e com empatia.

Baixar arquivo
Direitos Humanos

Mulheres enfrentam desafios para voltar ao mercado após maternidade

Uma pesquisa de doutorado acompanhada pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) retrata bem isso: 40% das mulheres saem do mercado formal de emprego depois de serem mães e esse número se mantém por 5 anos após o nascimento dos filhos.

Baixar arquivo