Rosa Weber derruba pontos de decretos sobre porte e posse de armas

Publicado em 13/04/2021 - 14:01 Por Sayonara Moreno - Repórter da Rádio Nacional - Brasília

Já estão valendo, a partir desta terça-feira (13), quatro decretos presidenciais que flexibilizam porte e posse de armas de fogo, no Brasil. No entanto, pouco antes de entrarem em vigor, alguns pontos foram derrubados pela ministra do Supremo Tribunal Federal, Rosa Weber, a pedido dos partidos políticos PSB, REDE, PT, PSOL e PSDB.

Um dos pontos derrubados aumentava, de duas para seis, o limite de armas de fogo que uma pessoa comum pode adquirir caso atenda aos requisitos para a posse. Para Rosa Weber, é “desproporcional” que pessoas comuns portem armas em quantidade semelhante a de militares ou policiais, sem treinamento adequado, porque “atenta contra os valores da segurança pública e da defesa da paz”.

Weber também suspendeu a permissão para que policiais e agentes de segurança e justiça possam comprar duas armas de fogo de uso restrito, além das seis já permitidas pela profissão. Também foram cortados do decreto: o aumento no limite de compra de armas e munição a caçadores, atiradores e colecionadores, os chamados CAC's, a permissão para adolescentes a partir de 14 anos praticarem tiro desportivo, porte de arma válido para todo o território nacional, permissão para os CAC's transportarem as armas carregadas com munição e a permissão para que cidadãos possam portar, ao mesmo tempo, até duas armas de fogo.

A decisão é monocrática. O assunto deve ser analisado em plenário pelos demais ministros do supremo. Até lá, os decretos estão valendo, exceto pelas medidas derrubadas. Ao decidir por tirar a validade dos trechos destacados nos quatro decretos, a ministra Rosa Weber argumentou que as medidas editadas pelo Planalto ferem a “Política Nacional de Armas, instituída pelo Estatuto do Desarmamento”. E também ultrapassam os limites de poder atribuídos à Presidência da República. Ela entendeu que a flexibilização torna vulneráveis as políticas de proteção a direitos fundamentais.

Na decisão, Rosa Weber citou que a Advocacia-Geral da União manifesta-se pela suspensão da liminar. Segundo o documento, a AGU nega que os decretos extravasem os limites legais e alega que aperfeiçoam “critérios de controle de aquisição e uso de armas e munições estabelecidos com fundamentos técnicos”, sem representar “retrocesso na proteção do interesse público”.

Após a liminar da ministra do Supremo, as organizações de direitos humanos Igarapé e Sou da Paz comemoraram. Em nota conjunta, as entidades consideraram a decisão uma “conquista da democracia brasileira e o compromisso com a segurança pública” do país. Além disso, ambas defendem que o plenário da corte mantenha as suspensões, ou que o Senado Federal vote o decreto legislativo que cancela os quatro decretos presidenciais. Atualmente, 14 projetos de decreto legislativo, para derrubar os presidenciais, tramitam no Senado.

Edição: Rádio Nacional/Edgard Matsuki

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias
Saúde

AM: Vigilância em Saúde alerta para risco de doenças devido às cheias

A Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas alerta para o risco de transmissão de doenças, e faz um alerta: a população deve ficar atenta durante a limpeza das residências, para a presença de animais peçonhentos.

Baixar arquivo
Segurança

Formulário que avalia risco para mulher que sofre violência vira lei

Documento precisará ser aplicado preferencialmente pela Polícia Civil. Entre as questões a serem respondidas  estão se a vítima está grávida; se o agressor tem acesso a armas e faz uso de drogas ou álcool; e se os filhos já presenciaram as agressões.

Baixar arquivo
Cultura

Inhotim reabre as portas após mais de um ano sem funcionar

Para a reabertura, medidas de segurança foram reforçadas, como ter apenas 10% da ocupação total, no máximo 500 visitantes e funcionamento somente de sexta a domingo. O ingresso deve ser adquirido de forma antecipada no site do museu.

Baixar arquivo
Saúde

Ministério da Saúde anuncia ampliação de contrato com Butantan

Serão 30 milhões de doses a mais da CoronaVac para entrega no segundo semestre. Até agora, o acordo previa 100 milhões de unidades do imunizante produzido pelo instituto paulista.

Baixar arquivo
Saúde

Covid-19: aumenta para sete o número de vacinas autorizadas no Brasil

A Organização Mundial da Saúde e as oito agências que fazem parte da Coalizão Internacional de Autoridades Reguladoras de Medicamentos fizeram hoje um apelo aos desenvolvedores de remédios e vacinas, para que ofereçam amplo acesso a dados clínicos de todos os novos medicamentos e vacinas.

Baixar arquivo
Justiça

Prazos processuais são suspensos no STF após instabilidade do sistema

Suspensão valeu para esta quinta e sexta-feira (7). Supremo diz que identificou acesso "fora do padrão" e tirou o site do ar para proteger sistema. Nenhum dado foi vazado, segundo a Corte.

Baixar arquivo