Em 1964, João Goulart é deposto e deixa o Brasil após golpe militar

Especial Memória e Verdade - 60 anos do golpe militar

Publicado em 02/04/2024 - 21:51 Por Gésio Passos - repórter da Rádio Nacional - Brasília
Atualizado em 03/04/2024 - 06:00

“Eu estaria faltando um dever de confiança se não dissesse que esse esforço extraordinário que realizamos, ao lado do sofrimento também extraordinário que passa o povo brasileiros, (...) jamais atingirá os seus grandes objetivos sem que se realize no Brasil as reformas de base”.

Central do Brasil, Rio de Janeiro, 13 de março de 1964. O presidente João Goulart discursou em defesa das reformas de base para mais de 200 mil pessoas.

A agenda de desenvolvimento do país colocava Jango em confronto com grupos conservadores. Uma crise econômica desafiava o governo, mesmo que mantendo grande apoio popular.

O cenário da Guerra Fria influenciava a disputa política brasileira. Após o discurso na Central do Brasil, movimentos conservadores convocaram a Marcha da Família com Deus pela Liberdade.

Juremir Machado da Silva, professor da PUC do Rio Grande do Sul e biógrafo de Jango, fala também da importância da imprensa na construção do golpe. "Todos os grandes jornais da época, o Globo, Correio da Manhã, Jornal do Brasil, Estadão, todos apoiaram o golpe com base na ideia de que o Jango era incompetente, era fraco, era incapaz de governar e, principalmente, que ele estaria flertando com o comunismo. O estopim disso tudo foi o comício na Central do Brasil quando o Jango assume que vai fazer reformas, como a reforma agrária". 

No final daquele março de 1964, Jango discursou em um ato de marinheiros que queriam melhores condições de trabalho e direitos civis.

A ruptura institucional estava próxima. Até que o general Olímpio Mourão chegou com seus tanques em 1º de abril de 1964, no Rio de Janeiro, vindo de Juiz de Fora. Foi a consumação do golpe planejado há muito tempo por militares, empresários e norte-americanos.

Dois porta-aviões, um porta-helicóptero e embarcações de apoio da segunda frota dos Estados Unidos já estavam a caminho da costa brasileira para apoiar os golpistas contra uma possível resistência legalista, a chamada operação Brother Sam.

Para o jornalista e ex-preso político Franklin Martins, os Estados Unidos impulsionaram o golpe militar no Brasil. "A direita não era maioria, os conservadores não eram maioria, mas eles usaram as forças armadas, e as forças armadas entraram nesse jogo em boa medida por causa do impulso que os EUA deram para tentar impedir um procedimento de um processo democrático dentro do Brasil. Então, eu esperava que fosse haver uma resistência e não houve, porque o famoso dispositivo militar constitucionalista do Jango não saiu em campo".

Com apoio do Congresso Nacional, o golpe se institucionalizou na madrugada de 2 de abril. O cargo de presidente foi declarado vago, mesmo com João Goulart ainda no país.

O deputado Ranieri Mazilli é empossado como presidente interino, com os políticos oposicionistas tentando assumir o controle do golpe.

Mas os militares não aceitaram devolver o poder. Um comando golpista, formado pelo general Costa e Silva, almirante Rademaker e o Brigadeiro Correia tomaram o país.

O primeiro Ato Institucional desse comando convocou o Congresso para eleger um presidente com amplos poderes: o general Castelo Branco.

Biógrafo de Jango, Juremir Machado da Silva avalia que o ex-presidente preservou o país de uma guerra civil. "Por que eu vejo o Jango como herói? Duas vezes Jango teria possibilidade de jogar o Brasil em guerra civil: em 1961, quando da legalidade, muitos queriam que ele resistisse pela força para assumir como presidente num regime presidencialista. E em 1964, a mesma coisa. Ele poderia ter ficado no Brasil, poderia ter resistido ao golpe militarmente, e seria um banho de sangue".

Mas, isolado e traído, Jango não buscou resistir e decidiu se exilar no Uruguai.

A série Memória e Verdade busca resgatar os 60 anos de golpe de Estado no país. Nesta quarta-feira (3), vamos falar sobre a repressão e os crimes da ditadura militar.

*Com sonoplastia de Jailton Sodré. 

Edição: Daniella Longuinho / Liliane Farias

Últimas notícias
Direitos Humanos

Podcast Crianças Sabidas: 60 anos do golpe militar de 1964

A Radioagência Nacional lança o segundo episódio do podcast Crianças Sabidas, com jornalismo voltado para o público infantil. Neste episódio, 60 anos do golpe militar de 1964 , a jornalista Akemi Nitahara, que é autora da série de livros infantis Naomi e Anita, conta sobre o golpe e suas consequencias para o país por meio de músicas compostas na época. 

Baixar arquivo
Saúde

Anvisa decide pela proibição da venda de cigarros eletrônicos

De acordo com a Anvisa, estudos científicos mostram que os cigarros eletrônicos podem conter nicotina e liberam substâncias cancerígenas e tóxicas. Além disso, os dispositivos não são mais seguros que os cigarros convencionais.

Baixar arquivo
Geral

Rio de Janeiro será sede do Museu da Democracia

O Museu vai funcionar no prédio do atual Centro Cultural do Tribunal Superior Eleitoral, no centro da cidade. A concepção será feita pela Fundação Getúlio Vargas.

Baixar arquivo
Internacional

Entenda os riscos no conflito entre Israel e Irã

Ministério das Relações Exteriores do Brasil acompanha, com grave preocupação, episódios da escalada de tensões entre o Irã e Israel. 

Baixar arquivo
Geral

Greve: governo apresenta proposta de aumento salarial

Governo propõe aumento de 9% em janeiro de 2025 e mais 3,5% em maio de 2026. Sindicato Nacional dos Servidores Federais da Educação Básica, Profissional e Tecnológica diz que a proposta está aquém do pedido pelos servidores e que a orientação é seguir a greve.

Baixar arquivo
Cultura

Brô Mc's, primeiro grupo de rap indígena, resgata cultura ancestral

O primeiro grupo de rap indígena a criar letras e cantar músicas na pegada do hip hop nasceu há 15 anos, em Dourados, no Mato Grosso do Sul.

Baixar arquivo