Acnur cria site para acesso à educação de jovens refugiados no Brasil

Publicado em 18/10/2021 - 21:05 Por Victor Ribeiro - Repórter da Rádio Nacional - Brasília

Neste momento, mais de 82 milhões de pessoas estão em deslocamento forçado em todo o mundo. São vítimas de perseguição religiosa, política, étnica ou de nacionalidade, que precisaram deixar suas próprias casas. Desse total, pelo menos 26 milhões foram obrigadas a mudar de país. Metade desses refugiados são crianças ou adolescentes. 

Os números são do Acnur, Agência da ONU para os Refugiados. Devido à grande quantidade de jovens, um tema que chama muita atenção da entidade é o acesso à educação. Por isso, uma parceria da Acnur com o governo brasileiro colocou no ar nesta segunda-feira (18) uma página na internet dedicada ao assunto. 

O representante da entidade internacional aqui no Brasil, Jose Egas, resumiu que a iniciativa busca acolher esses jovens.  Segundo ele, a sala de aula e a escola podem ser espaços seguros para as crianças serem acolhidas e terem oportunidades com todos os seus direitos aqui no Brasil.

Ainda de acordo com o Acnur, o acesso à educação reduz com o aumento da faixa etária. Entre as crianças refugiadas, 77% estão matriculadas até o quinto ano do ensino fundamental. Do sexto ano até o ensino médio, o índice cai para 34%. Entre os motivos que explicam isso estão as barreiras burocráticas, sociais, econômicas, culturais ou linguísticas. 

O ministro da Educação, Milton Ribeiro, destacou que o acesso ao ensino é um direito humano e previsto na Constituição Federal. 

A Lei de Migração brasileira assegura que crianças e adolescentes refugiados possam se matricular nas escolas, mesmo aqueles que não tenham todos os documentos necessários. O entendimento é que eles estão muito vulneráveis. 

O diretor substituto do Departamento de Migrações do Ministério da Justiça, Flávio Diniz, chamou atenção para o papel dos jovens como multiplicadores do conhecimento. Segundo ele, o conhecimento das crianças influencia a transmissão de saberes para os seus pais.

A página lançada nessa segunda (18) apresenta um guia para a educação de jovens refugiados e traz diferentes materiais para auxiliar o ensino, inclusive em vídeo. O endereço é educacaopararefugiados.com.br

Edição: Sheily Noleto / Guilherme Strozi

Últimas notícias
Pesquisa e Inovação

USP desenvolve máquina que utiliza etanol para extrair óleos

Os pesquisadores já conseguiram extrair óleos de soja, girassol, caroço de pequi e castanha-do-brasil. Os próximos passos do laboratório envolvem a realização da avaliação econômica do equipamento e o estudo contínuo do aumento da escala de produção.

Baixar arquivo
Segurança

PF prende 24 pessoas em operação contra pornografia infantil

24 pessoas foram presas na segunda fase da operação Lobos, realizada pela Polícia Federal, nesta sexta-feira, para reprimir abuso sexual infantil na darkweb. Os sites eram utilizados por quase 2 milhões de usuários, em todo o mundo.

Baixar arquivo
Segurança

Argelino vira réu por apologia ao nazismo

O cidadão argelino Abdessalem Martani, que vive no Brasil , se tornou réu por publicar imagens que fazem apologia ao nazismo no Facebook.

Baixar arquivo
Saúde

Mais de 30 países já notificaram casos da Ômicron

Por ter uma maior facilidade de transmissão, a nova cepa do coronavirus tem sido apontada pela África do Sul como determinante no agravamento da quarta onda vivida no país. .

Baixar arquivo
Pesquisa e Inovação

Motoristas recebem notificação antecipada de multas em novo serviço

As mensagens começaram a ser enviadas esta semana por e-mail, SMS e pelo aplicativo gov.br. Esse serviço, chamado de Notifica gov.br, ainda está em operação-piloto e deverá ser ampliado para outras áreas. 

Baixar arquivo
Saúde

Paciente do RJ testa negativo para variante Ômicron

Paciente de 29 anos, que chegou ao Rio vinda recentemente de uma viagem à África do Sul, estava sob suspeita de infecção pela Ômicron, nova variante do coronavírus.

Baixar arquivo