Situação das vacinas no Brasil é tema de uma reunião na Câmara

Participam do encontro representantes do MS, Anvisa, Pfizer e Jansen

Publicado em 27/04/2021 - 13:37 Por Beatriz Albuquerque - Repórter da Rádio Nacional - Brasília

A situação das vacinas no Brasil foi tema de uma reunião da Comissão Externa de Enfrentamento à Covid, que aconteceu na Câmara dos Deputados. Representantes do Ministério da Saúde, da Anvisa e dos laboratórios Pfizer e Jansen participaram do encontro.

A partir da próxima semana, começa a distribuição das doses da vacina da Pfizer. A informação foi dada pela coordenadora do Programa Nacional de Imunização do Ministério da Saúde, Franciele Francinato. Segundo ela, já há 100 milhões de doses desse imunizante contratadas, e outras 100 milhões em negociação. A previsão é receber 1 milhão de doses no dia 29 de abril; 2,5 milhões em maio e outras 12 milhões no mês de junho. O restante será entregue aos poucos, ao longo do ano. A vacina da Pfizer é feita em 2 doses e pode ser aplicada em pessoas com 16 anos ou mais. 

Inicialmente, a vacina será distribuída para as capitais por causa da logística e da necessidade de armazenamento em temperaturas muito baixas, mas a intenção do governo é levar o produto para outras cidades, como explica Franciele.

Franciele Francinato explicou, ainda, que foi assinado um contrato com a Jansen para a aquisição de 38 milhões de doses da vacina, mas não há, ainda, a disponibilidade imediata do imunizante, que está previsto para chegar apenas no 4º trimestre desse ano, a partir do mês de outubro.

Com uso emergencial aprovado em março, o esquema desse imunizante é feito em dose única; e, de acordo com o fabricante, tem eficácia de 85% para casos graves da covid-19.

Sobre a vacina russa, Sputinik. Gustavo Mendes, gerente geral de medicamentos da Anvisa, explicou que havia uma negociação inicial de 10 milhões de doses desse imunizante, mas o fabricante não passou nos testes determinados pela Anvisa. Gustavo destacou que foram observadas impurezas na vacina, o que poderia gerar efeitos adversos graves. 

O representante do Instituto Gamaleya, responsável pela vacina russa, não pôde ficar para a reunião.

No Brasil, hoje, temos em uso a CoronaVac, fabricada pelo Instituto Butantan; e a vacina da Oxford/AstraZeneca, desenvolvida pela Fiocruz.

Edição: Sâmia Mendes / Patrícia Serrão

Últimas notícias
Direitos Humanos

Número de jornalistas presos no mundo chega a 293 e bate recorde

Segundo relatório do Comitê de Proteção de Jornalistas, a China é a nação com maior número de profissionais de mídia detidos - 50 atualmente - seguida pela Birmânia, Egito, Vietnã e Belarus.

Baixar arquivo
Economia

Copom sobe taxa básica de juros para 9,25% ao ano

Esse é o maior patamar da Selic em 4 anos e o sétimo aumento seguido da taxa em 2021

Baixar arquivo
Geral

Bretas é declarado incompetente em ações da Operação Fatura Exposta

A decisão, da Segunda Turma do STF, foi proferida no julgamento do habeas corpus impetrado pela defesa do empresário do ramo de saúde Miguel Iskin, um dos condenados

Baixar arquivo
Saúde

Rio retoma vacinação contra gripe nesta sexta-feira

A vacinação ficou suspensa por uma semana por causa da falta do imunizante.

Baixar arquivo
Geral

Pesquisa revela condições de vida e renda dos refugiados venezuelanos

Uma pesquisa feita por agências da ONU apontou dados importantes sobre as condições de vida e renda dos refugiados e migrantes venezuelanos interiorizados ao Brasil.

Baixar arquivo
Esportes

Corinthians é tricampeão paulista feminino

Com a presença de mais de 30 mil torcedores, as corinthianas fecharam o ano com a tríplice coroa, uma vez que conquistaram também as taças do Brasileiro e da Libertadores.

Baixar arquivo