Anistia pede a governo do RJ compromisso com solução do caso Marielle

Publicado em 14/01/2019 - 16:23 Por Alana Gandra - Repórter da Agência Brasil - Rio de Janeiro

A diretora executiva da organização não governamental Anistia Internacional, Jurema Werneck, pediu hoje (14) que as autoridades do estado do Rio de Janeiro se comprometam com a solução do assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL) e do motorista Anderson Gomes, que completou nesta segunda-feira (14) dez meses. Até agora, as investigações não foram concluídas.

“O ano de 2018 terminou sem que o estado do Rio de Janeiro, sob intervenção federal na área de segurança pública, tenha conseguido solucionar o caso. A nova gestão do governo do estado tem o dever de assumir esta responsabilidade e não deixar o caso sem solução. O novo governador e o novo chefe de polícia deveriam vir a público se comprometer com a investigação correta do assassinato de Marielle Franco desde o início de sua gestão”, afirmou.

A diretora ressalta que a demora na solução do crime tem impactos negativos na área de direitos humanos, da qual Marielle Franco era ativista. “Gera uma espiral de medo e silêncio entre ativistas, defensores de direitos humanos, jovens, mulheres negras, comunidade LGBT e todas as pessoas e grupos que, de alguma forma, ela representava. Mas, além disso, há uma enorme preocupação com o fato de que algumas das altas autoridades do estado do Rio de Janeiro estiveram envolvidas em um episódio de violência contra a memória e a imagem de Marielle”.

Ela se referiu à campanha eleitoral do ano passado, quando uma placa em homenagem a Marielle Franco, colocada em frente à Câmara Municipal, na Cinelândia, região central da cidade, foi retirada pelos então candidatos a deputado estadual, Rodrigo Amorim, e a deputado federal, Daniel Silveira. A placa foi utilizada em um ato de campanha do novo governador Wilson Witzel.

“Ao depredar a placa e proferir aquelas palavras hostis e ofensivas, os três candidatos estavam atacando e desqualificando também os defensores de direitos humanos, as mulheres negras, os jovens de favela, as pessoas LGBT”, destacou. A diretora da organização salientou que a não solução do caso até o momento é inaceitável e prometeu que, “como movimento global, a Anistia Internacional seguirá mobilizada até que os mandantes e executores sejam levados à justiça e responsabilizados”. 

No último sábado (12), o governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, disse que as investigações estão próximas de um desfecho. "Talvez isso aconteça até o final desse mês", afirmou, após reunião com secretariado no Palácio Guanabara, em Laranjeiras, zona sul da capital fluminense. 

Nesta segunda-feira, Witzel afirmou que não teve acesso ao processo, que está em segredo de justiça, mas defendeu que uma resposta seja apresentada à sociedade rapidamente e comentou sobre as investigações conduzidas pela polícia e o Ministério Público. "Me parece que as duas têm que andar juntas. Se não for possível, aquela que estiver mais adiantada que dê a resposta para sociedade. Se você tem uma investigação mais adiantada na polícia, que a polícia já apresente logo o resultado", disse, acrescentando: "É muito melhor apresentar muitas vezes um resultado parcial de uma investigação. O inquérito pode ser cindido e continuar a investigação em outros fatos".

Edição: Carolina Pimentel

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias
Voltar ao topo da página