Presidente do Equador confirma libertação de todos os reféns

Guardas foram detidos em sete prisões durante motins na semana passada

Publicado em 14/01/2024 - 10:48 Por Lusa* - Quito

O presidente equatoriano, Daniel Noboa, confirmou que foram libertados todos os guardas e funcionários administrativos que tinham sido feitos reféns pelos detentos em sete prisões onde ocorreram motins na última semana.

Em mensagem na rede social X, o chefe de Estado cumprimentou as forças de segurança e o Exército por terem conseguido a libertação de centenas de reféns nas prisões de Azuay, Cañar, Cotopaxi, Tungurahua, Loja, El Oro e Esmeraldas.

"Parabéns ao trabalho patriótico, profissional e corajoso das Forças Armadas, da Polícia Nacional e do SNAI [Serviço Nacional de Atenção Integral às Pessoas Privadas de Liberdade]", a agência penitenciária do Equador, disse Noboa.

Ele destacou a liderança dos ministros do Interior, Mónica Palencia, e da Defesa, Giancarlo Loffredo, "por conseguirem a libertação do pessoal de segurança e vigilância penitenciária e do pessoal administrativo detido".

Em comunicado, o SNAI destacou que as ações conjuntas entre militares, polícias e guardas prisionais "foram concluídas de forma bem-sucedida com a libertação" de todos os reféns.

A agência acrescentou que estão sendo feitas avaliações médicas para salvaguardar" a saúde dos reféns. Em alguns casos, como na prisão de Esmeraldas, no noroeste do país, na fronteira com a Colômbia, eles foram resgatados graças à mediação das igrejas Católica e Evangélica.

O SNAI acrescentou que iniciará investigações para apurar as causas e os responsáveis pelos últimos acontecimentos registrados nas prisões.

Também reiterou o compromisso "com a segurança, a reabilitação e o respeito aos direitos humanos no sistema penitenciário" do Equador.

Nesse sábado (13), o SNAI tinha informado que 133 guardas e três funcionários administrativos permaneciam reféns em vários estabelecimentos prisionais.

Horas antes, as Forças Armadas do Equador disseram que recuperaram o controle de pelo menos duas das seis prisões onde houve rebeliões.

Os motins ocorreram na terça-feira passada (9), em dia de terror e caos no país, atribuído a grupos do crime organizado, que incluiu bombardeios, raptos e assassinato de policiais, além de ataque armado a uma estação de televisão.

A onda de violência ocorreu no momento em que Daniel Noboa se preparava para pôr em prática um plano destinado a recuperar o controle das prisões, dominadas por grupos criminosos.

O Equador enfrenta onda de violência depois de se ter tornado o principal ponto de exportação da cocaína produzida nos vizinhos Peru e Colômbia.

O governo declarou na terça-feira situação de "conflito armado interno" e classificou as quadrilhas de crime organizado como grupos terroristas e alvos militares.

*É proibida a reprodução deste conteúdo.

Últimas notícias