Adams volta a defender acordos de leniência com empreiteiras

Publicado em 25/03/2015 - 17:55 Por Luciano Nascimento - Repórter da Agência Brasil - Brasília

O advogado-geral da União, Luís Inácio Adams, voltou a defender os acordos de leniência com as empreiteiras envolvidas na Operação Lava Jato, no âmbito da Controladoria-Geral da União (CGU). Adams negou que o governo esteja tentando fechar acordos para salvar as empresas denunciadas por pagamento de propina e formação de cartel.

“O acordo de leniência não é um ajuste para salvar a empresa. Ele é um processo imposto à empresa para que ela faça esse processo de colaboração e ressarcimento [dos valores desviados], disse Adams em audiência pública na Câmara dos Deputados.

Segundo ele, o governo está preocupado com a possibilidade de que as empresas, caso sejam declaradas inidôneas, parem as obras e demitam os funcionários, por falta de acesso a financiamento. O ministro citou as demissões ocorridas no Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro.

A medida é criticada pelo Ministério Público Federal (MPF), segundo o qual os acordos podem prejudicar as investigações da Lava Jato na área penal. O principal motivo de discordância é ausência da obrigação da empresa de apresentar provas e fatos novos para a investigação.

“A CGU não tem condições de saber se aquilo que as empresas estão oferecendo é informação nova, ou não, porque as investigações estão sob sigilo”, disse o representante do MPF no Tribunal de Contas da União (TCU), procurador Júlio Marcelo de Oliveira.

Ele argumenta que os acordos de leniência têm desestimulado a delação premiada. “Quando [as empreiteiras] podem negociar, conversar com a CGU sobre a possibilidade de fazer uma acordo de leniência por meio do qual elas vão escapar das penas que elas mais temem, que é a de inidoneidade e de perda do financiamento público, elas param de conversar com o Ministério Público”, explicou.

Adams disse que o governo tem imposto exigências severas para as empresas e que os acordos podem cair, caso se verifique que elas não estão contribuindo de fato com as investigações, advertiu.

Em nota, a CGU disse que os acordos de leniência “não ferem, em nada, a atuação do MP ou do TCU”. O órgão conclui: “Em qualquer caso, a CGU apenas aceitará firmar acordo de leniência caso a empresa interessada colabore efetivamente com as investigações e promova a reparação integral do dano causado à administração”.

Até o momento, cinco empresas pediram para fazer acordo de leniência com a CGU. Os pedidos foram apresentados pelas companhias OAS, Galvão Engenharia, Engevix e SOG Óleo e Gás, além da holandesa SBM Offshore.
 

Edição: Beto Coura

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias