Para o Senado, Lei de Proteção de Dados entra em vigor em setembro

Essa legislação estabelece regras para o tratamento de dados pessoais

Publicado em quinta-feira, 27 Agosto, 2020 - 10:42 Por Lucas Pordeus Leon - Brasília

O presidente do Senado, Davi Alcolumbre, acatou o pedido do líder do MDB na casa, senador Eduardo Gomes, do Tocantins, para retirar da Medida Provisória 959 o adiamento da entrada em vigor da Lei Geral de Proteção de Dados.

Por isso, a Lei que foi sancionada em 2018, deve entrar em vigor até o próximo mês, assim que a Medida Provisória aprovada nessa quarta-feira(26), no Senado, for sancionada pelo presidente da República.

O governo federal, ao editar a Medida Provisória que trata do Benefício Emergencial para trabalhadores com redução de jornada ou suspensão de contrato durante a pandemia, prorrogou também o início da vigência da Lei de Proteção de Dados para maio de 2021.

A Câmara antecipou o início da validade da lei para dezembro deste ano. Mas o Senado rejeitou a alteração e a nova lei deve entrar em vigor após a sanção da MP, ainda em setembro.

A Lei Geral de Proteção de Dados estabelece as regras para o tratamento de dados pessoais sensíveis tanto pelo poder público quanto pelas empresas privadas, com aplicação de multas para eventuais descumprimentos das normas. São considerados dados pessoais, por exemplo, nome, endereço, e-mail, idade, estado civil e situação patrimonial.

A lei determina que o uso desses dados exija o consentimento do titular, que deve ter acesso às informações mantidas por uma empresa; e, ao fazer o uso desses dados, a empresa deve respeitar as regras da nova legislação.

Após o Senado vetar a prorrogação da entrada em vigor da lei, o governo publicou no Diário Oficial da União desta quinta-feira(27) decreto com a estrutura da Autoridade Nacional de Proteção de Dados, órgão previsto na nova legislação. Ele ficará vinculado à Presidência da República e será composto por uma Conselho Diretor, entidade máxima de direção, e um Conselho consultivo de participação da sociedade.

Mesmo entrando em vigor agora em setembro, as penalidades para quem descumprir as regras da nova lei só poderão ser aplicadas a partir de agosto de 2021, isso porque foi sancionada neste ano uma lei que cria um regime jurídico transitório para o período da pandemia do novo coronavírus.



 

Edição: Sâmia Mendes

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias
Educação

Enade: Estudantes de universidades públicas tiveram melhor desempenho

41,7% dos cursos com nota máxima (5)  são de universidades públicas, enquanto apenas 3,1% dos cursos de instituições privadas alcançaram a melhor avaliação

Baixar arquivo
Política

Votações na Câmara são adiadas para semana que vem

Sem acordo, sessão deliberativa marcada para esta terça-feira (20) foi cancelada

Baixar arquivo
Pesquisa e Inovação

Projeto institui marco legal das startups e empreendedorismo inovador

O Governo Federal encaminhou ao Congresso Nacional texto do projeto de lei complementar que "Institui o marco legal das startups e do empreendedorismo inovador".

Baixar arquivo
Justiça

Justiça do Rio bloqueia bens do ex-prefeito Eduardo Paes

A Justiça determinou o bloqueio de bens do ex-prefeito Eduardo Paes, candidato à prefeitura do Rio de Janeiro nas eleições deste ano.

Baixar arquivo
Saúde

Vacina contra a covid-19 será incluída no programa de vacinação

O Ministério da Saúde negocia a compra de 46 milhões de doses da vacina chinesa CoronaVac contra a covid-19. O medicamento é desenvolvido pelo Instituto Butantan, em parceria com o laboratório Sinovac.

Baixar arquivo
Política

Justiça determina bloqueio de bens de João Doria

Governador de São Paulo é acusado de usar recursos da prefeitura em publicidade irregular. Total de bens bloqueados chega a R$ 29 milhões

Baixar arquivo