Witzel diz que faltam provas sobre sua participação em irregularidades

Ele deu as declarações após a decisão de seu afastamento

Publicado em 28/08/2020 - 16:44 Por Raquel Júnia - Rio de Janeiro

O governador afastado do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, fez um pronunciamento no final da manhã desta sexta-feira, poucas horas após ser cumprida a decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ), que o retirou do cargo por 180 dias. Diante de jornalistas, na área externa do Palácio Laranjeiras, Witzel afirmou que faltam provas sobre a sua participação em irregularidades.

Ele não economizou críticas à Procuradoria Geral da República que, na sua avaliação, tem "uso político".

Witzel também destacou medidas tomadas para coibir processos de corrupção durante a sua gestão. E assegurou que não há indícios de que tenha tentado atrapalhar investigações, o que justificaria seu afastamento do governo.

Ele detalhou também decisões para corrigir falhas na fiscalização de Organizações Sociais, que administram serviços de saúde e estão no centro das denúncias da Operação Tris in Idem realizada nesta sexta (28),

Wilson Witzel criticou a delação premiada do ex secretário de Saúde Edmar Santos, que teria baseado o cumprimento de mandados e o afastamento dele do governo. Na sua versão, as ações contra ele visam a impedir que indique o novo procurador-geral de Justiça do estado.

Ele se defendeu ainda da acusação de irregularidades nos contratos advocatícios feitos pelo escritório da primeira-dama, Helena Witzel, também alvo de um mandado de busca e apreensão. Witzel disse que vai tomar as medidas jurídicas cabíveis para tentar reverter a decisão, mas que ainda não teve acesso aos autos do processo.

Além do afastamento do governador, a operação realizada nesta sexta-feira teve objetivo de cumprir 17 mandados de prisão e 72 de busca e apreensão. O vice-governador Claudio Castro, também alvo de um mandado de busca e apreensão, vai assumir o governo do estado.

 

Ouça também

Procurador Eduardo El Hage diz que Rio de Janeiro vive dia triste e rebate acusações de Witzel

Em decisão do STJ, Wilson Witzel é afastado do cargo por 180 dias

Edição: Lana Cristina

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias
Política

Bolsonaro vai ficar em isolamento e depois fará teste para covid

O presidente Jair Bolsonaro vai permanecer em isolamento no palácio da Alvorada em Brasília durante cinco dias. O motivo do distanciamento é o contato que o presidente teve com o ministro da Saúde Marcelo Queiroga,  diagnosticado com covid-19.

Baixar arquivo
Saúde

Fiocruz desenvolve teste molecular para detectar hanseníase

O exame, baseado na metodologia do teste PCR em tempo real, também usado na detecção da Covid, identifica o DNA da bacteria causadora da Hanseníase e pode facilitar a detecção precoce da doença. 

Baixar arquivo
Economia

Receita abre nesta quinta-feira consultas ao 5º lote de restituição

São 562 milhões a serem pagos para mais de 358 mil contribuintes. O crédito será feito no dia 30 de setembro.

Baixar arquivo
Geral

Selo Bicicleta Brasil quer estimular o transporte cicloviário no país

O lançamento ocorreu junto a um ciclo de palestras em comemoração à Semana Nacional de Mobilidade, com debates sobre os meios de transportes ativos, ou seja, não motorizados, como é o caso da mobilidade a pé e por bicicleta. 

Baixar arquivo
Política

Relator mantém processo contra Luis Miranda no Conselho de Ética

Segundo o relator, deputado Gilberto Abramo, do Republicanos de Minas Gerais, há dúvidas quanto a real intensão do parlamentar ao fazer a denúncia de suposto superfaturamento na compra da Vacina Covaxin pelo governo federal. Caso seja falsa, configuraria quebra do decoro parlamentar.

Baixar arquivo
Política

Senado aprova reforma eleitoral com estímulo a negros e mulheres

O senado federal aprovou nesta quarta-feira (22), por 70 votos a 03, em primeiro turno, a Proposta de Emenda à Constituição da reforma eleitoral. Agora, os senadores estão votando a PEC em segundo turno. 

Baixar arquivo