Comissão da Alerj aprova relatório a favor de impeachment de Witzel

Decisão foi por 24 a 0; o único membro que não votou está licenciado

Publicado em quinta-feira, 17 Setembro, 2020 - 18:05 Por Tâmara Freire - Rio de Janeiro

A comissão de impeachment da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro decidiu, por 24 votos a zero, dar prosseguimento ao processo contra o governador afastado Wilson Witzel. O único faltante dos 25 membros foi o deputado João Peixoto, que está licenciado por questões de saúde.

O voto que sacramentou o resultado praticamente unânime foi dado pelo presidente da comissão, Chico Machado.

Agora, o parecer elaborado pelo relator da comissão, deputado Rodrigo Bacelar, recomendando a continuidade do impeachment, será votado pelo plenário da Casa, em sessão que deve ocorrer na semana que vem. Caso a continuidade do processo seja aprovada por 36 dos 70 deputados, a maioria simples, Witzel será afastado novamente por 180 dias.

Durante esse tempo, o Tribunal de Justiça vai compor uma comissão com cinco deputados e cinco desembargadores, escolhidos em sorteio, que vai decidir sobre a cassação definitiva de Witzel.

Durante cerca de duas horas, Bacelar leu as 77 páginas do seu parecer, concluindo pela admissibilidade do processo.

Witzel responde ao processo de impeachment por causa das denúncias de desvios e fraudes na contratação das organizações sociais Unir, responsável pela gestão de diversas unidades de saúde do estado, e Iabas, que deveria construir e administrar os hospitais de campanha para atender pacientes com Covid-19.

O autor do pedido de impeachment, deputado Luiz Paulo Correa da Rocha, alegou em seu voto que, além de ter permitido as ilegalidades, Witzel também tirou proveito delas, conforme indicaria a investigação que levou ao afastamento temporário do governador pela Justiça estadual. Mas, para ele, isso não exime a Alerj de tomar também uma decisão política.

O governador afastado se manifestou pelo Twitter. Disse que a recebe a decisão da Alerj com respeito e tranquilidade e que vai fazer sua defesa presencial em plenário, demonstrando que não cometeu crime de responsabilidade.

Witzel afirmou ainda que vem sendo acusado sem provas e sem direitos a ampla defesa, e que, na verdade, determinou a investigação e o afastamento das pessoas que tentaram instalar a corrupção e o crime organizado em seu governo.

 

Ouça também:

Relator de processo de Witzel na Alerj conclui pelo impeachment

MPF apresenta nova denúncia contra Wilson Witzel

STF: Toffoli manteve afastamento de Witzel do governo do RJ

Assembleia do RJ recebe defesa do governador afastado Witzel

Edição: Sumaia Villela

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias
Segurança

Cidade do Maranhão fica sem policiais civis durante a pandemia

Arari tem cerca de 30 mil habitantes e fica a 168 quilômetros da capital São Luís. Todos os três investigadores lotados no município estão afastados do trabalho por serem do grupo de risco. O único escrivão da cidade trabalha em regime de plantão, dois dias por semana

Baixar arquivo
Educação

Aulas presenciais na rede pública do Pará só voltam no ano que vem

Decisão foi comunicada nesta terça-feira (27) pelo governador do estado, Helder Barbalho

Baixar arquivo
Política

Votações da Câmara ficam para novembro

Ficou pra novembro a próxima sessão da Câmara. O motivo: os deputados não registraram presença e a pauta de votações foi suspensa.

Baixar arquivo
Saúde

Decreto com restrições de isolamento é prorrogado no Amazonas

Com o aumento de casos da Covid-19 no estado foi prorrogado, por 30 dias, o decreto que restringe, no âmbito estadual, o acesso às áreas de praias para recreação e o funcionamento de balneários, flutuantes e de bares. As medidas foram decididas nesta terça-feira (27) pelo Comitê de Enfrentamento da Covid-19 do Amazonas, que considerou dados da Fundação de Vigilância em Saúde.

Baixar arquivo
Segurança

Estudo aponta ligação de milícias com Executivo e Legislativo do RJ

A nota técnica "Controle Territorial Armado no Rio de Janeiro", da Rede Fluminense de Pesquisas Sobre Violência, Segurança Pública e Direitos Humanos, é fruto de um ano de debates entre pesquisadores, policiais, promotores, jornalistas, ativistas e especialistas em dados

Baixar arquivo
Segurança

19 pessoas são presas em mega operação policial no RJ

Os presos eram acusados de participarem de cerca de 70 grandes crimes, ocorridos nos últimos 3 anos, incluindo homicídios e assaltos, que causaram mais de R$ 200 milhões de prejuízos. As investigações que levaram à operação começaram após o assassinato do menino Leônidas Augusto da Silva de Oliveira, em um tiroteio na Avenida Brasil.

Baixar arquivo