Brasil atravessa o fenômeno da judicialização da vida, diz Barroso

Publicado em 25/08/2016 - 23:18 Por Cristina Indio do Brasil - Repórter da Agência Brasil - Rio de Janeiro

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Luís Roberto Barroso, disse em palestra, que matérias complexas ou que têm alto custo político, o Legislativo não consegue chegar a consenso e esses temas acabam no Poder Judiciário. "São causas mundiais que no Brasil são potencializadas por uma Constituição extremamente abrangente. A Constituição brasileira cuida de muitos temas e cuida deles de maneira analítica e detalhada", disse. "Quase tudo pode, de certa forma, chegar ao Supremo".

Barroso falou sobre jurisprudência do STF em matéria de negociação coletiva no Seminário Comemorativo dos 75 anos da Justiça do Trabalho e 70 anos do Tribunal Superior do Trabalho, no Centro Cultural da Fundação Getulio Vargas, em Botafogo, zona sul do Rio.

Na palestra, o ministro disse que o Brasil atravessa o fenômeno da judicialização da vida de maneira geral. Para ele, a passagem da Constituição para o centro do sistema jurídico e a constitucionalização do direito deram um certo protagonismo para o Poder Judiciário. "Estou descrevendo uma realidade. Não estou dizendo que é bom ou que é ruim. Muitas vezes eu acho que é bom e algumas vezes acho que é ruim. Há um fenômeno mundial que é a judicialização da vida", disse. "Questões políticas, questões econômicas e questões éticas, estão sendo hoje, em muitas partes do mundo, resolvidas pelo poder judiciário".

O ministro do STF Luís Roberto Barroso disse que o Brasil atravessa o fenômeno da judicialização da vida de maneira geral

O ministro do STF Luís Roberto Barroso disse que o Brasil atravessa o fenômeno da judicialização da vida de maneira geralCristina Indio do Brasil/Agência Brasil

Direito do Trabalho

O ministro disse que a Constituição brasileira tem dispositivos específicos para tratar do Direito do Trabalho como os artigos 7º e 8º, por exemplo. Ele disse que duas questões jurisdicionais importantes do STF se basearam em leis do trabalho que não estão completas na Constituição.

"Um mandado de injunção foi resgatado graças à discussão sobre greve no serviço público, onde a ausência de legislação editada pelo Congresso depois de mais de duas décadas de vigência da Constituição criava e ainda cria problemas em relação a esta matéria. Eu mesmo pedi vista, pedi pauta para repensar este sistema, porque algumas categorias no setor privado não se aplica automaticamente à greve no setor público e nós temos dificuldade em encontrar um caminho", disse.

Terceirização

O ministro disse que espera "no limite do possível" que Congresso decida sobre o Projeto de Lei 4.330, que regulamenta o trabalho terceirizado, e que, se isso não ocorrer, o Supremo terá que julgar. "Essa é uma matéria política. Essa é uma decisão política e idealmente ela deve ser tomada pelo Congresso Nacional e não por interpretação constitucional, mas a verdade é que os casos envolvendo terceirização se multiplicam e o judiciário não pode dizer não resolvo o problema", disse.

Após a palestra, ao ser perguntado por jornalistas, o ministro evitou comentar o momento político do país. Para justificar o motivo para não conversar com a imprensa, Barroso fez referência ao Versículo 7 do Capítulo 3 do livro de Eclesiastes do Velho Testamento.

"Está no Eclesiastes. Há um tempo para cada coisa nessa vida. Tempo de falar e um tempo de calar. Acho que esta não é hora de colocar lenha na fogueira, portanto, preferia não conversar com vocês hoje", disse.

 

Edição: Fábio Massalli

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias
Doleiro Dario Messer
Justiça

Doleiro Dario Messer fecha acordo judicial e vai devolver R$ 1 bilhão

De acordo com a força-tarefa da Lava Jato no Rio, o acordo permitirá a coleta de provas para investigações em andamento. Messer é suspeito de lavagem de dinheiro.

Medicamentos
Geral

Polícia apreende R$ 1 milhão em medicamentos desviados da rede pública

Foram apreendidas cerca de 800 caixas de remédio, muitos vencidos. Os agentes prenderam um homem acusado de integrar a quadrilha especializada neste tipo de crime.

Testes para detecção do Covid-19
Saúde

Covid-19: Brasil tem 104 mil mortes e 3,16 milhões de casos acumulados

Boletim do Ministério da Saúde revela que 2.309.477 pessoas se recuperaram da covid-19 desde o começo da pandemia. 

psg neymar
Esportes

PSG vence Atalanta no fim e vai à semifinal da Liga dos Campeões

Brasileiro Neymar tem atuação decisiva, participando diretamente dos dois gols da equipe da capital francesa.

Geral

PF fecha dois bingos clandestinos no centro do Rio de Janeiro

Em um dos endereços, localizado na zona portuária, foram apreendidas 30 máquinas caça níqueis. Em outro local, na Cinelândia, foram apreendidas outras 24 máquinas.

O presidente Jair Bolsonaro faz  declaração à imprensa na área externa do Palácio da Alvorada
Política

Bolsonaro, Maia e Alcolumbre defendem teto de gastos em pronunciamento

"Resolvemos, então, com essa reunião, direcionar mais ainda nossas forças para o bem comum daquilo que todos nós defendemos", disse o presidente Jair Bolsonaro.